82 99641-3231 (pedido musical)

82 99947-6977 (jornalismo)

Palmeira tem 921 casos confirmados, 609 recuperados e 33 óbitos por Covid-19

Palmeira tem 921 casos confirmados, 609 recuperados e 33 óbitos por Covid-19

A Secretaria Municipal de Saúde (SMS) informa que até esta sexta-feira (7) foram confirmados 921 casos de Covid-19, o novo coronavírus.

Na UCI da Unidade de Pronto Atendimento (UPA) existem 7 leitos disponíveis, exclusivos para os pacientes de Covid e a ala de Observação Clínica tem 1 leito disponível.

A UTI do Hospital Santa Rita e a Clínica Médica estão totalmente ocupadas. A SMS pede que a população colabore, principalmente neste momento em que o Governo do Estado decretou o estágio da fase laranja para os municípios e a população já começa a retomar, gradativamente, as atividades de trabalho.

O uso de máscaras de proteção é obrigatório e do álcool em gel ou 70%, além de manter as medidas sanitárias.

VIGILÂNCIA EM SAÚDE

A Vigilância em Saúde informa que, até hoje, 921 casos da doença já foram confirmados, 1.891 descartados, 33 óbitos, 16 pessoas hospitalizadas e 2.534 testes realizados.

CENTRO DE TRIAGEM E TESTAGEM (CTT)

Nesta sexta foram feitos 41 testes: 30 com resultado positivo e 11 negativo.


Operação prende traficante e apreende 40 kg de maconha em Maceió

Operação integrada da Polícia Civil e Gerit apreende 40 quilos de maconha em Maceió — Foto: Ascom PC/ AL

Um operação conjunta entre policiais penais do Grupo de Escolta, Remoção e Intervenção Tática (Gerit), do sistema prisional, e de policiais da Delegacia do Narcotráfico (Denarc), da Polícia Civil, prendeu um homem que estava transportando 40 kg de maconha na tarde desta sexta-feira (7), no bairro Riacho Doce, em Maceió.

Segundo as investigações, a droga estava escondida em um sítio, o homem desenterrou os pacotes e estava indo fazer a entrega dela, na parte alta da cidade.

Ao tomarem conhecimento do fato, os policiais das duas forças de segurança montaram campana na AL-101 Norte e conseguiram interceptar o traficante na pista.

“Nós o interceptamos e, durante a revista no interior do veículo, identificamos o material entorpecente escondido embaixo do banco do passageiro”, informou o chefe especial de Gestão Penitenciária da Seris, policial penal Milton Pereira.

Segundo a assessoria de comunicação da Secretaria de Estado de Ressocialização e Inclusão Social (Seris), as ação policial conjunta teve como objetivo combater a atuação de facções criminosas que agem dentro e fora dos presídios.

O homem, de 32 anos, e a droga apreendida foram levados até a sede da Denarc, no bairro de Bebedouro, antes de seguir para a Central de Flagrantes, no Farol, onde permanecerá à disposição da Justiça.


Alertas de desmatamento na Amazônia sobem 34,5% no período de um ano

Alertas de desmatamento na Amazônia sobem 34,5% no período de um ano

As áreas com alerta de desmatamento na Amazônia aumentaram 34,5% no período de um ano, segundo dados divulgados nesta sexta-feira (7) pelo Instituto de Pesquisas Espaciais (Inpe), vinculado ao Ministério de Ciência e Tecnologia.

De agosto de 2019 até o dia 31 de julho deste ano, houve alerta de desmatamento de 9.205 km² de área da floresta, uma área mais que seis vezes o tamanho da cidade de São Paulo. Entre agosto de 2018 e julho de 2019, esse número tinha ficado em 6.844 km².

Se comparados apenas os dados dos meses de julho de 2020 e 2019, houve queda neste mês do ano: em 2020, os dados apontam 1.654 km² de áreas com alertas de desmate. No ano passado, o total foi de 2,2 mil km².

Em nota, o Greenpeace Brasil apontou que os mais de 9,2 mil km² em alerta de desmatamento é equivalente a 1.195.454 campos de futebol, e o que mais chama atenção é o modo como o desmatamento se concentra em determinadas áreas.

Alertas do Deter x Taxa do Prodes

Os dados de áreas sob alerta de desmatamento são fornecidos em registros diários pelo Sistema de Detecção de Desmatamento em Tempo Real (Deter), que monitora a região por meio de imagem de satélites. Ele não aponta o consolidado do desmate, mas sim áreas com marcas de devastação que precisam ser fiscalizadas pelo Ibama (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente).

Já a taxa oficial anual de desmatamento na Amazônia é calculada considerando todo o período de seca, que vai de agosto de um ano a julho do ano seguinte. Desta forma, é possível detectar o acumulado de destruição da floresta levando em conta os ciclos de chuva e seca, desmatamento e queimadas. Ela é apresentada em relatório do Projeto de Monitoramento do Desmatamento na Amazônia Legal por Satélite (Prodes), também do Inpe. Os dados são divulgados na metade do segundo semestre de cada ano.

Temporada de recorde e tendências

Para o vice-presidente Hamilton Mourão, o dado de julho aponta uma “reversão de tendência”. “Ainda é começo, a gente tem que prosseguir até chegar nas metas que nós temos que é colocar o desmatamento dentro do mínimo aceitável”, disse Mourão.

Os ambientalistas avisam que, historicamente, os dados do Deter não apenas são confirmados, mas também ampliados quando a taxa do Prodes é divulgada. Ou seja, os 9 mil km² são indício de um número ainda maior.

“Olhando os alertas do Deter nos últimos meses, estimamos que o desmatamento da Amazônia neste período (agosto de 2019 e julho de 2020) poderá atingir a casa do 13 mil km². Isso é assustador”, afirma Astrini.

Se confirmada a previsão de mais de 13 mil km² de devastação amazônica, André Guimarães, diretor-executivo do Ipam (Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazônia), alerta que a temporada deste ano poderá ser a maior em mais de 10 anos, já que o último recorde da taxa oficial de desmatamento foi registrado em 2008. Na época, segundo o Prodes, a taxa de desmatamento oficial foi de 12.911 km².

“Como o Deter subestima os dados do Prodes em cerca de 50%, estimamos que o número real ultrapasse o do último anos e atinja uma taxa que não é vista há mais de uma década”, explica Guimarães.

Na temporada passada, de 2018/2019, o sistema de alertas detectou mais de 6 mil km² com sinais de devastação – a taxa oficial de desmatamento para aquela temporada fechou em 10.129 km² de desmatamento. É a maior área desde 2008.

“É uma situação inédita no Brasil ter dois períodos consecutivos de aumento do desmatamento na Amazônia. E que explica a situação é apenas um fator: as ações do governo federal. Bolsonaro é o primeiro presidente, desde a redemocratização do país, a promover o desmatamento da Amazônia e a invasão a terras indígenas”, explica Astrini.

Tanto os alertas de desmatamento em maio quanto em junho do Deter registraram recordes em toda a série história, que começou em 2015. Enquanto em maio o alerta de desmatamento amazônico registrou 829 km², em junho foram 1.034,4 km².

“O aumento descontrolado do desmatamento já vem causando problemas comerciais ao Brasil, destroçando a imagem do país no exterior. Empresas estrangeiras já deixam de comprar produtos agropecuários e investidores retiram recursos de companhias que compram produtos de áreas abertas irregularmente”, comentou o WWF Brasil em nota.

“Quem lucra com isso [aumento do desmatamento] é o desmatador ilegal, o grileiro, o investidor no garimpo sem controle que explora trabalho escravo. Se quisesse controlar o desmatamento, e essa realmente não parece ser a intenção, o governo retomaria o Plano de Prevenção e Controle do Desmatamento na Amazônia e reforçaria a atuação do Ibama e outros órgãos ambientais, no lugar de gastar dinheiro com a atuação teatral das Forças Armadas”, afirmou em nota Suely Araújo, especialista-sênior em Políticas Públicas do Observatório do Clima.

Os alertas servem para informar aos fiscais do Ibama onde há sinais de devastação, que podem ou não ser comprovados posteriormente.

Moratória e bloqueio de bens

Astrini explica que falar em desmatamento na Amazônia é falar em desmatamento ilegal. “Acabar com o desmatamento na Amazônia seria acabar, principalmente, com a ilegalidade”, diz.

“O desmatamento ilegal é um crime que vem sendo há muito tempo anistiado no país. Com isso, este crime tem se tornado cada vez mais organizado”, explica o secretário-executivo do Observatório do Clima.

Por isso, na quinta-feira (6), um grupo de 62 organizações da sociedade civil enviou uma carta ao Parlamento Europeu e ao Congresso propondo uma moratória de 5 anos de desmatamento para conter a devastação da Amazônia.

A carta também propõe o bloqueio de bens dos cem maiores desmatadores da Amazônia, o endurecimento das penas para crimes ambientais na Amazônia, a criação de 10 milhões de hectares em unidades de conservação, entre outros.

“As ações de comando e controle lançadas nos últimos dois anos não foram suficientes para diminuir o desmatamento na Amazônia, então é preciso entrar com estratégias de choque para controlar esse aumento”, explica Guimarães, que assinou a carta.

“É preciso investir na recuperação e no bom uso das áreas já desmatadas para evitar o avanço sobre a floresta; consolidar as áreas protegidas; tirar do papel o pagamento por serviços ambientais para estimular a manutenção dos ativos florestais; e combater com firmeza a grilagem em florestas públicas não-destinadas, pois 30% do desmatamento acontece ali”, diz o diretor-executivo do IPAM.

O crime ambiental na Amazônia não é exclusividade do governo Bolsonaro, mas, para Astrini, este é o primeiro presidente que encoraja a ação de invasores por meio de atos e edição de medidas. Como exemplo, ele cita a Instrução Normativa publicada pela Funai em abril que permite a invasão, exploração e até comercialização de terras indígenas ainda não homologadas pela presidência.

“O governo federal é o maior promotor do desmatamento ilegal no Brasil hoje. O governo Bolsonaro é o maior inimigo da floresta amazônica”, diz Astrini.

Desmatamento e coronavírus

Para os especialistas, tanto desmatamento acontecendo no meio de uma pandemia é duplamente preocupante.

“Essas árvores derrubadas uma hora serão queimadas, o que gera muita fumaça na região, apenas esperando o período seco chegar para ser queimada. Quanto mais fumaça no ar, mais problemas respiratórios são registrados entre a população da Amazônia. Se precisam de atendimento hospitalar, ficam ainda mais expostas ao coronavírus. É uma sobreposição de problemas que poderia ser evitada”, explica Guimarães.

“Muitas capitais da região do Norte no ano passado decretaram situação de calamidade pública por causa da fumaça vinda das queimadas na floresta. A fumaça ataca as vias respiratórias da população. Imagina se essa situação se repetir este ano, e com a pandemia do coronavírus”, alerta Astrini.


Avião se parte em dois durante pouso na Índia; 14 passageiros morreram e 123 ficaram feridos

Avião se parte em dois durante pouso na Índia; 14 passageiros morreram e 123 ficaram feridos

Um avião da operadora Air India Express se partiu em dois após um acidente durante o pouso no aeroporto de Calicute, no sul da Índia, nesta sexta-feira (7). A aeronave carregava 191 passageiros e há ao menos 14 mortos e 123 feridos entre os destroços.

Um porta-voz da polícia do estado de Kerala – onde está o aeroporto – disse à agência Associated Press que um piloto do Boeing 737 está entre os mortos já identificados. Segundo Abdul Karim, pelo menos 15 dos feridos estão “em estado crítico” e as operações de resgate já terminaram.

A aeronave que partiu de Dubai, nos Emirados Árabes, ultrapassou a pista ao pousar. Imagens feitas no local mostraram que a fuselagem da aeronave se partiu em dois após o impacto.

Voos comerciais estão proibidos na Índia desde o início da pandemia de coronavírus e segundo as autoridades locais, o voo tinha como objetivo repatriar cidadãos indianos que estavam fora do país.

A fuselagem do avião se partiu em duas quando a aeronave caiu em um barranco após ultrapassar a pista de pouso, disseram redes de televisão.

O Ministério de Aviação Civil da Índia informou que não há relato de incêndio no momento do pouso, e que as vítimas estão sendo levadas a hospitais. Chovia muito no momento do acidente, o que dificulta o resgate aos passageiros.

O acidente aconteceu no aeroporto de Koode, na cidade de Calicute, que fica no estado de Kerala.

Um deputado do estado disse que pelo menos o piloto morreu no acidente, enquanto a imprensa local fala de dezenas de passageiros hospitalizados.

“O voo estava vindo de Dubai. Tinha mais de 185 passageiros. As operações de resgate estão em andamento, mas a chuva dificulta a tarefa”, disse à agência AFP uma autoridade dos serviços de emergência, sob condição de anonimato.


PRF recupera moto roubada e prende homem por receptação na BR 101

PRF recupera moto roubada e prende homem por receptação na BR 101

Agentes da Polícia Rodoviária Federal (PRF) prenderam um homem por crime de receptação e recuperaram uma moto roubada, na tarde de ontem (06). O flagrante ocorreu no km 206 da BR – 101, município de São Sebastião/AL.

Passava das 15 horas quando uma equipe fiscalizava o trecho e deu ordem de parada a uma Honda/CG de cor vermelha, com placa de Estância/SE. Durante a verificação aos elementos identificadores do veículo, os policiais constataram que havia uma queixa de furto/roubo. De acordo com informações dos sistemas, a moto tinha ocorrência registrada de roubo, no último sábado (01), da polícia civil do Estado de Sergipe.

Diante dos fatos, foi dada voz de prisão e o condutor encaminhado à Delegacia Regional de Polícia Civil para procedimentos cabíveis. Ele deverá responder por crime de receptação, como previsto no artigo 180 do Código Penal (CP).


Polícia prende suspeito de estuprar mulher em Maceió

Polícia prende suspeito de estuprar mulher em Maceió

Um homem de 35 anos foi preso em Maceió por policiais da Divisão Especial de Investigações e Capturas (DEIC) em cumprimento a um mandado de prisão pelo crime de estupro de uma mulher ocorrido no bairro da Santa Lúcia. A informação foi divulgada pela Polícia Civil na manhã desta sexta-feira (7).

A prisão aconteceu na quinta (6), na Santa Amélia. O mandado foi expedido pela 12ª Vara Criminal após investigação presidida pelo delegado José Carlos, titular da Seção Antissequestro e Crimes Cibernéticos.

De acordo com a polícia, o caso aconteceu no dia 20 de maio, na casa do próprio homem. As investigações apontaram que ele abordou uma mulher de 36 anos na rua e a levou para o local do crime.

A polícia também informou que há um Boletim de Ocorrência registrado contra o homem por suspeita de ter violentado uma menor de 9 anos, também no bairro da Santa Lúcia. O caso está sendo investigado pela Delegacia dos Crimes Contra a Criança e o Adolescente (DCCCA).

O homem foi levado para a sede da Deic, no bairro da Santa Amélia, e em seguida foi encaminhado para o sistema prisional do Estado, onde permanece à disposição da Justiça.


Redes sociais


Whatsapp: 82 99641-3231

Contato


Rua José e Maria Passos, nº 25 - Centro - Palmeira dos Índios - AL.

Tel: (82) 99641-3231

© 2020 RÁDIO SAMPAIO - Todos os direitos reservados | Desenvolvido por Interactive MOnkey