82 99641-3231

Rainha Marta anuncia “pausa” no futebol no dia de seu aniversário

Os amantes do bom futebol foram pegos de surpresa na manhã desta terça-feira (19). A jogadora alagoana, Marta Silva, anunciou uma pausa nos gramados.

A “decisão importante”, como intitulou a camisa 10 da Seleção Brasileira Feminina de Futebol, foi publica no perfil oficial da atleta no Instagram.

Junto com uma imagem, Marta escreveu que este ano vai se dedicar a família, que está sempre em primeiro lugar. Ela agradeceu o apoio dos fãs e admiradores do futebol.

“Comunico a todos uma decisão importante: este ano, vou me dedicar à minha família. Afinal, família vem sempre em primeiro lugar. Obrigada pelo apoio de sempre”, escreveu a atleta.

Muitos seguidores da alagoana, comentaram sobre a decisão, dizendo que entendia a preocupação de Marta com a família e desejaram sorte para ela.

O que mais impressionou a todos é que Marta está fazendo aniversário nesta terça-feira (19). A jogadora que completou 33 anos, acumula prêmios e vitórias no futebol. Ela é recordista no prêmio de melhor jogadora do mundo. Em 2018 ela ganhou o prêmio pela 6ª vez.

Marta agradeceu pelo apoio dos fãs e disse que este ano vai se dedicar a família
Reprodução/Instagram

Rei Pelé terá Complexo Esportivo e vai ganhar melhorias estruturais

O governador Renan Filho e a secretária de Estado do Esporte, Lazer e Juventude, Claudia Petuba, assinaram, nesta quarta-feira (13), as ordens de serviço para a construção do Complexo Esportivo Rei Pelé e para execução de obras e serviços de manutenção predial do Trapichão com vistas à realização dos jogos da Série A do Campeonato Brasileiro de Futebol 2019.

Durante seu discurso, o chefe do Executivo anunciou a construção de um Restaurante Popular na área do estádio e revelou a intenção de transformá-lo, mais adiante, numa moderna arena esportiva. “Esse (Complexo Esportivo) é um investimento com recursos do Governo Federal e acessoriamente vamos também preparar o Trapichão para estar apto a realizar bons jogos das séries A e B do Campeonato Brasileiro. Um espaço dessa natureza tem que ser utilizado pelo maior número de pessoas possível, tanto pelo cidadão que mora nas imediações como por aquele que treina atletismo, que faz artes marciais, pelas federações. Assim o Trapichão cumpre melhor o seu papel”, ponderou o governador.

 

O Complexo Esportivo terá investimento de R$ 1.975.248,24, recursos oriundos do Ministério do Esporte. As obras – executadas pela Secretaria de Estado da Infraestrutura (Seinfra) – serão iniciadas de imediato e o prazo de conclusão é de 12 meses, a partir do início dos serviços. O Complexo Esportivo oferecerá novos espaços para prática de diversas modalidades, numa área de 3.307,58 m². Terá um campo de futebol society, uma quadra poliesportiva coberta, uma piscina semiolímpica e um dojô (espaço para prática de artes marciais), além de toda uma estrutura dotada de banheiros e vestiários.

 Márcio Ferreira

“Isso vai qualificar melhor o Trapichão, dar mais uso à sociedade, movimentá-lo e depois nós queremos trazer para cá, também, um Restaurante Popular para ser utilizado pelas pessoas da parte baixa de Maceió e pelos usuários do Hospital Geral do Estado (HGE). Essa (Trapiche) também é uma área comercial muito forte”, observou o governador.

 

A secretária Claudia Petuba afirmou que a determinação do governador Renan Filho é tornar o Rei Pelé um estádio mais seguro, funcional e bonito. “Esses novos espaços vão reforçar a estrutura que existe hoje no sentido de proporcionar mais equipamentos esportivos destinados à sociedade. Eles serão disponibilizados aos atletas para que desenvolvam seus treinamentos, para a realização de competições e também para a comunidade, que terá aulas gratuitas de hidroginástica e de introdução à natação”, citou  Claudia Petuba.

 

Melhorias

A solenidade reuniu presidentes de federações e associações esportivas alagoanas e de clubes de futebol da capital e do interior do Estado. As melhorias na maior praça esportiva de Alagoas, constam no Relatório do Rei Pelé. O documento foi elaborado pelo Grupo de Trabalho (GT) para Estudo e Desenvolvimento do Futebol Alagoano, instituído por meio de decreto governamental no fim do ano passado.

 

As melhorias visam cumprir requisitos prioritários: segurança, exigências da Confederação Brasileira de Futebol (CBF), solicitação dos clubes e da Federação Alagoana de Futebol (FAF), além de melhorias de funcionamento do estádio. As reformas que constam no Relatório perfazem o montante de R$ 11.938.693,71, investimento que será acrescido com a inclusão no orçamento de alguns itens que estão em fase de elaboração, a exemplo da manutenção de todo o sistema elétrico do estádio.

 

A ordem de serviço assinada nesta quarta-feira para manutenção predial, cujo investimento será de R$ 4,5 milhões, visa atender às normas e diretrizes do Manual de Licenciamento da CBF, cujos itens obrigatórios para a realização de jogos da Série A serão entregues até o início de abril deste ano, portanto antes da abertura do Campeonato Brasileiro de Futebol 2019.

 Márcio Ferreira

Destacam-se entre esses itens a reforma dos vestiários da arbitragem, a implantação de uma sala para a realização dos exames antidoping, geradores para os jogos, aquisição de novo placar eletrônico, sinalização do estádio e ampliação dos bancos de reserva. “Para que a gente receba jogos da Série A, precisamos fazer a aquisição de equipamentos como, por exemplo, um novo placar eletrônico, ter um sistema de geradores funcionando e disponibilizar e equipar uma sala para a equipe antidoping. Temos a convicção que vamos preencher todos os itens, mas vamos fazer, também, uma série de outras melhorias que não são obrigatórias como é o caso da pintura geral e a reforma dos 32 conjuntos de banheiros que são disponibilizados ao público”, revelou Claudia Petuba.

 

Ela lembrou, ainda, que as obras de construção do Complexo Esportivo não vão interferir na utilização regular do Rei Pelé, nem para a realização dos jogos de futebol, uma vez que a edificação dos equipamentos acontece em terreno que estava ocioso, onde não há movimentação de pessoas e veículos.

 

Em seu discurso, Renan Filho revelou a intenção de, mais adiante, transformar o estádio Rei Pelé numa moderna arena esportiva. Ele determinou a elaboração de um estudo de volume com vistas à modernização do Trapichão, contudo sem tirar as características arquitetônicas do estádio.

 


Vereadora critica atuação de arbitragem “torcedora”

A vereadora Silvânia Barbosa sugeriu que integrantes da arbitragem que sejam declaradamente torcedores de determinados clubes não devem ser indicados pela Federação Alagoana de Futebol (FAF) para atuar em partidas envolvendo “seu time de coração”.

Em postagem nas redes sociais, a vereadora fez referência às críticas feitas pela diretoria do CRB e por torcedores acerca da atuação do bandeirinha Ruan Barros no clássico entre CRB e CSA ocorrido domingo passado. A partida terminou empatada.

“Que as minhas palavras sirvam muito mais como sugestão para um futebol mais limpo e sério, do que como críticas que apenas inflamem ainda mais a opinião sobre o resultado do jogo de ontem (domingo) e a atuação do bandeirinha Ruan Barros”, escreveu Silvânia.

Ela também afirmou não querer questionar a atuação do assistente durante a partida, mas defendeu que “o critério de escolha de árbitro e assistentes precisa ser mais rigoroso”.

Silvânia é conselheira do CRB e esposa do presidente do clube, o deputado estadual Marcos Barbosa.

Nota oficial

No mesmo dia, mais cedo, a diretoria do CRB divulgou uma nota, em seu site oficial, classificando a atuação de Ruan Barros como “péssima”.

Afirmando que o árbitro assistente é azulino declarado, o clube também pediu que ele não fosse mais escalado nos jogos do clube desta temporada: “Não podemos aceitar que um profissional da arbitragem trabalhe levando as cores de seu clube embaixo do seu uniforme de árbitro ou bandeira”.


Mulheres definem espaços no universo ‘masculino’ do futebol

São em média 90 minutos. Corre para um lado e para o outro. É preciso ter atenção a cada detalhe dentro e fora de campo. Os técnicos e jogadores cobram e os torcedores gritam, soltam xingamentos, palavras de baixo calão. O cenário já é bastante desafiador, some a isso alguns conceitos machistas, como “futebol não é lugar de mulher”. Mas rompendo todas as barreiras e enfrentando as opiniões alheias, elas têm marcado o universo “masculino” do futebol e mostrado que “lugar de mulher é onde ela quiser”.

Alagoas, além da hexa melhor jogadora do mundo, a Rainha Marta, conta com oito mulheres no quadro de arbitragem da Federação Alagoana de Futebol (FAF), sendo que quatro delas também estão no quadro da Confederação Brasileira de Futebol (CBF) e podem atuar nos jogos nacionais.

Apesar de cenas como a registrada no jogo CSA x Murici, no dia 31 de janeiro, no Estádio Rei Pelé, ainda estamparem as redes sociais, o presidente da Comissão de Arbitragem da FAF, Charles Hebert, destaca que a atuação das mulheres em Alagoas é de extrema importância.

A história da mulher na arbitragem, segundo Charles, teve início entre as décadas de 80 e 90, com nomes como Maria Edilene, de Pernambuco, e Silvia Regina. Alagoas seguiu os exemplos nacionais e realizou o primeiro curso de árbitras femininas em 1998.

No período, a arbitragem alagoana passou a contar com a árbitra assistente Ticiana Falcão, que também pertenceu ao quadro da Fifa. “Atualmente, são oito mulheres no quadro, sendo quatro no quadro da CBF, que podem atuar nos jogos nacionais, e quatro no quadro local, que só podem atuar no estado. No entanto, na escola de formação de árbitros há três mulheres fazendo o curso. E, com isso, poderemos chegar a 11 mulheres no quadro”.

Raquel Barbosa compõe o quadro da equipe de arbitragem da FAF

FOTO: Arquivo Pessoal

O preconceito

É comum árbitros e juízes serem incompreendidos pelos jogadores, pela equipe técnica e xingados pelos torcedores. Até os familiares recebem algumas “pragas”. Quando o erro é cometido por uma árbitra, a reação pode ser bem exagerada, já que para muitos “mulher não entende de futebol”.

Para lidar com as mais diferentes situações de pressão, o presidente da Comissão de Arbitragem da FAF destaca que homens e mulheres são recebem orientações para estarem preparados. “Desde 2017, a FAF tem uma psicóloga esportiva no quadro. Ela faz um trabalho com todos do quadro de arbitragem, independente do gênero. Os árbitros são preparados para sofrer qualquer tipo de pressão dentro do campo”.

Entre as orientações da Comissão está que tudo que acontecer de anormal, qualquer tipo de conduta antidesportiva, agressão verbal ou moral, deve ser relatada na súmula da partida para que os tribunais e entidades envolvidas no evento possam adotar as punições cabíveis. “E dentro de campo, que seja aplicado os cartões quando forem necessários, sendo o cartão amarelo quando for conduta antidesprotiva e cartão vermelho para agressão”, explica Charles.

O presidente destaca ainda que nos dois últimos anos da atual gestão da Comissão de Arbitragem denúncia de machismo foi registrada. “Nem nos jogos e nem no ambiente fora dos jogos, nenhum tipo de denúncia”, conta Charles.

Há ainda que critique a atuação das mulheres na arbitragem de futebol alegando que elas não conseguem acompanhar o ritmo dos jogadores. Segundo o presidente da Comissão, para atuar em jogos masculinos, as mulheres enfrentam o mesmo nível do teste físico dos homens e a mesma prova teórica. Charles defende que não há isonomia, não há diferença no tratamento dos profissionais femininos ou masculinos e que não há nenhum tipo de falta de respeito.

O espaço na Comissão de Arbitragem

Dentro da Comissão, a relação entre homens e mulheres é extremamente profissional. “Com os árbitros, assistentes, comissão de arbitragem, jogadores e técnicos, não há diferença em relação ao tratamento dado aos homens. Nas escalas dos jogos, sempre há mulheres participando”, destaca Charles.

A Comissão de Arbitragem reconhece o papel primordial das mulheres no quadro do futebol. “Em 2017, os melhores árbitros assistentes do Campeonato Alagoano foram Raquel Barbosa e Ana Paula. Isso mostra que não há diferença nenhuma e que elas são iguais ou muitas vezes superiores no trabalho que elas são designadas”.

O presidente destaca ainda que as quatro árbitras assistentes alagoanas que integram o quadro da CBF – Raquel Barbosa, Ana Paula dos Santos, Maria de Fátima Trindade, Brígida Cirilo – representam o estado nas competições nacionais.

“Elas têm desempenhado um papel de muita importância para a arbitragem e para o futebol alagoano. Agora temos o objetivo de ter uma árbitra central no estado. A gente torce para que alguma das novas árbitras, que estão no curso de arbitragem da FAF, possa seguir como árbitra central”.

Jogadores do Murici partem pra cima de Raquel Barbosa

FOTO: Pei Fon / TNH1

Experiência no jogo CSA x Murici

A partida entre CSA e Murici, além do placar de 2 a 1, ganhou destaque a atitude dos jogados do Murici. Após o ataque do CSA fazer uma jogada, o goleiro Léo e o zagueiro Adalto acabaram se chocando. E, assim, a bola ficou livre para Patrick Fabiano, que marcou o segundo gol do Azulão. Naquele momento, José Jaini Bispo, árbitro da partida ficou com alguma dúvida e demorou para validar o gol. Foi então que os jogadores do Murici foram para cima da assistente Raquel Ferreira.

A cena foi registrada pela fotógrafa Pei Fon e repercutiu nas redes sociais.

No quadro nacional da CBF desde outubro de 2012 e formada há 10 anos no curso de assistente, Raquel explica que nesse tipo de situação procura ser o mais profissional possível. “Temos uma preparação específica para lhe dar com esse tipo de situação exposta na foto e que é acompanhada por um profissional da psicologia. Esse treinamento é constante e precisamos colocá-lo em prática sempre que vamos atuar em jogos”.

Raquel destaca que o futebol ainda conta com uma porcentagem maior de profissionais masculinos. Ela atrela isso a histórica cultura, que definia o esporte como praticado por uma quantidade maior de homens. “Porém, com muita persistência, as mulheres vêm ganhando espaço pela sua capacidade profissional”.

Mesmo com cenas como a registrada na partida, Raquel diz que a família apoia a profissão, no entanto, algumas situações eles preferem evitar. “Meus pais estão cientes de que os xingamentos são constantes, principalmente a minha mãe. Porém, ela nunca foi a um jogo de futebol para ver na prática como ocorre”.

Mulheres estão sempre presentes em jogos nos estádios de Alagoas

FOTO: Cortesia

A mulher dentro do estádio

O machismo no futebol é recorrente, e torna-se ainda mais duro quando a mulher vai ao estádio assistir ao jogo do time que torce. A probabilidade de ouvir comentários maldosos é de quase 100% durante os 90 minutos. Se ela faz alguma análise sobre algum lance da partida, logo é surpreendida por um algum comentário maldoso, como, por exemplo, a clássica pergunta: “você sabe o que é impedimento?”, que vai além, “cala a boca, você não entende nada”, “tá aqui por causa do seu namorado, né?”. São diversas as “brincadeiras” que machucam as torcedoras, que estão ali por um bem comum: o amor pelo time do coração.

Além do machismo estampado, é possível presenciar cenas de assédio nas arquibancadas. A torcedora alagoana, Carla Santiago, conta que em todos os jogos é fácil encontrar homens que soltam comentários de mau gosto e olhares diferenciados que constrangem as mulheres.

Da partida entre CSA x Murici, a torcedora lembra os muitos gritos que ouviu em meio à torcida durante a cena com a assistente da arbitragem Raquel Barbosa. “Eram muitas palavras de baixo calão direcionadas a ela, eu fiquei assustada e indignada, pedi respeito aos torcedores que estavam aos gritos. Naquele momento eu estava pensando que poderia ser eu. Gritos com frases machistas, ‘vaca’, ‘p*’, ‘você deveria estar em casa cozinhando e lavando roupa, não entende nada’, ‘bandeirinha burra do c***’, além tantos outros de xingamentos. Tudo isso me deixou extremamente triste”, disse.

Diante das cenas e comentários preconceituosos, ela garante que mulheres estão criando consciência de que podem frequentar e torcer em um ambiente que ainda é considerado por muitos como somente masculino. “O futebol não é só dos homens, nunca foi, e nós estamos encarando com mais firmeza do que antigamente. Acontece sempre. Não vamos nos calar, só queremos igualdade”, ressalta a torcedora.

FONTE: Gazetaweb / Colaboradora 


Alagoano que escapou do incêndio no Flamengo iria treinar com vítimas no Maracanã

O sonho de se tornar um jogador de futebol acabou para alguns adolescentes das categorias de base do Flamengo, após o incêndio no “Ninho do Urubu” na madrugada desta sexta-feira (08). Para o alagoano Fabrício Yan, de 15 anos, o sonho segue vivo, mas sem a presença dos amigos, com quem treinaria hoje no Maracanã.

A jovem promessa do futebol alagoano está morando no Rio há 5 anos, sendo três deles defendendo a base do Fluminense e depois foi contratado pelo Flamengo, onde treina e estuda nos últimos dois anos.

O MinutoEsportes conversou com o pai do atleta, Fabrício Barros, que abalado, contou que o filho não estava mais morando no CT. “O Yan morava no alojamento, mas Deus é tão bom, que a mãe veio morar e a gente tirou ele de lá. No momento do incêndio ele estava em casa, até porque não teria treino pela manhã”, disse.

Alagoano ao fundo, de camisa preta e short verde (Foto: Reuters)

Os treinos não aconteceriam no CT pela manhã, justamente por conta das fortes chuvas que atingiram o Rio de Janeiro entre quarta e quinta-feira, deixando mortos, feridos e muitos prejuízos.

Apesar do treinamento ter sido cancelado pela manhã, os atletas estariam juntos no período da tarde e fariam um treinamento juntos no Maracanã. “Eles realizariam um sonho, juntos. O Flamengo entrou em contato, avisando que iria acontecer um treinamento no Maracanã, para testar o VAR para os jogos do Carioca. Eles estavam todos alegres, ficaram até tarde se falando. Infelizmente não vai acontecer”, contou e reforçou.

“Estamos arrasados. São amigos do meu filho, famílias que estão desoladas e o Flamengo também não merecia isso. O clube faz de um tudo por esses atletas, presta toda a assistência, iria colocar esses atletas num espaço fantástico. Quis o destino que fosse assim”, concluiu.

Fabrício Yan está abalado e não concedeu entrevistas. O jovem de 15 anos, estava morando com os pais em apartamento na capital carioca, mas passava o dia inteiro no clube, desde às 07h00 da manhã, passando pelo café da manhã, treino, almoço, aula e só deixava o “Ninho do Urubu” às 18h00.


Irmã de Emiliano faz homenagem nas redes após a identificação de corpo: ‘Te amo, tito’

A irmã do atacante argentino Emiliano Sala expressou nas redes sociais horas depois da confirmação de que o corpo encontrado no avião no Canal da Mancha era mesmo do jogador. Na legenda da foto em que Emiliano aparece de braços abertos no campo, Romina Sala escreveu: “Sua alma em minha alma brilhará para sempre, iluminando assim, o tempo da minha existência. Eu te amo, tito.”

Nesta quinta-feira, a polícia de Dorset, na Grã-Bretanha, informou pela conta do twitter que o corpo encontrado no avião no Canal da Mancha é de Emiliano Sala, o atacante argentino que viajava da França para Cardiff, quando aconteceu o acidente. Ele estava desaparecido desde o dia 21.

O presidente da Associação de Futebol de Argentina (AFA), Chiqui Tapia foi um dos primeiros a se manifestar com pesar nas redes sociais:

“Desde a AFA sentimos uma profunda tristeza por Emiliano Sala. Nos solidarizamos e nos colocamos à disposição de toda a família Sala”, escreveu o dirigente.

Na quarta-feira, a Agência de Investigação de Acidentes Aéreos do Reino Unido (AAIB) havia divulgado um comunicado sobre a operação de resgate, quando foi recuperado o corpo – na ocasião ainda não identificado – de Sala.


Rua José e Maria Passos, nº 25 - Centro - Palmeira dos Índios - AL.

Redes sociais


Facebook

Whatsapp: 82 99641-3231

Fale conosco


82 99641-3231

© 2019 RÁDIO SAMPAIO - Todos os direitos reservados | Desenvolvido por Interactive MOnkey