STJ investiga possível propina de R$ 1,5 milhão no caso do padre Robson

STJ investiga possível propina de R$ 1,5 milhão no caso do padre Robson

Nesta terça-feira (09), o Superior Tribunal de Justiça (STJ) deve receber ainda hoje do Judiciário de Goiás , inúmeras interceptações telefônicas, áudios de whatsapp e outras provas sobre o caso do padre Robson de Oliveira Pereira , acusado de desviar o dinheiro de doação dos fiéis. As informações foram apuradas pelo Metrópoles.

A corte superior ficará encarregada de revisar todas as provas e inclusive, julgar todas as denúncias que foram apresentadas. Tal ação ocorrerá se o Tribunal de Justiça do Estado de Goiás ( TJGO ), não tiver mais o poder de definir o andamento do processo, de forma definitiva. A possibilidade seria confirmada se fosse encontrada a confirmação do pagamento de propina de R$ 1,5 milhão a desembargadores que decidissem a favor do pároco.

Nesta terça (09), a juíza Placinda Pires disse estar cumprindo a ordem do ministro Benedito Gonçalves, do STJ. Ele é representante das ordens jurídicas decretadas no âmbito da Operação Vendilhões , criada contra o padre pelo Ministério Público do Estado de Goiás (MPGO), em agosto de 2020. “Os processos já remetemos”, declarou Pires, que é responsável pela 1ª Vara dos Feitos Relativos a Delitos Praticados por Organização Criminosa e de Lavagem ou Ocultação de Bens, Direitos e Valores da comarca de Goiânia.

O cartório que trabalha junto com a vara judicial, irá precisar do auxílio da equipe de informática do TJGO para conseguir enviar todo o material necessário para o caso ao STJ. “Ontem [segunda-feira], estávamos com problemas para remeter as mídias”, explicou a juíza.

“[São] as mídias audiovisuais. O resultado das interceptações, dos espelhamentos dos celulares e de outros equipamentos eletrônicos”, afirmou ela. “Muito material. Inúmeras mídias”, asseverou.


Deixe uma resposta