Policiais penais de AL paralisam atividades a partir desta segunda para cobrar reajuste salarial

Policiais penais de AL paralisam atividades a partir desta segunda para cobrar reajuste salarial

Sob a alegação de que não conseguem avançar na pauta de negociação salarial com o Governo do Estado, os policias penais de Alagoas iniciam uma paralisação de advertência nesta segunda-feira (16), que segue até o próximo dia 20.

Neste período, eles comunicam que suspenderão visitas às unidades prisionais, entrega de feiras, atendimentos a advogados, recebimento de presos, saída de detentos para trabalhos externos e transferências internas.

A decisão por paralisar as atividades foi deliberada em assembleia do Sindicato dos Agentes Penitenciários, Servidores e Trabalhadores do Sistema Prisional de Alagoas (Sinaspen/AL), ocorrida na última quinta-feira (12).

A categoria alega que o canal de diálogo com a Secretaria de Estado do Planejamento, Gestão e Patrimônio (Seplag) foi quebrado. Pelo menos dois pontos estão sendo cobrados pelos policiais penais, todos ligados a melhorias nas remunerações.

A direção do sindicato pede o realinhamento da tabela de subsídios do PCCS [Plano de Cargos, Carreiras e Salários], já que os valores ficam abaixo do que ganham outras categorias ligadas à Segurança Pública de Alagoas. Segundo os policiais penais, o governo contraria a própria política de nivelamento salarial das categorias.

Além disso, há um pedido para que sejam aplicados 15% de reposição inflacionária nos salários destes servidores como forma de compensação aos anos anteriores em que o Executivo não concedeu este direito.

“Vamos ver se a Seplag responde ao nosso pleito. A gestão tem, simplesmente, ignorado as nossas tentativas de negociação. Tivemos uma reunião no dia 22 de julho, quando apresentamos a proposta, e o que recebemos como resposta é que deveríamos agendar uma nova audiência com o secretário Fabrício Marques, mas não conseguimos porque o responsável alegou que não tinha data e horário disponíveis. Foi a única forma que encontramos para reabrir o canal de negociação”, declarou o presidente do Sinaspen/AL, Vitor Leite.

Ele acrescenta que as propostas apresentadas não desobrigam o Governo do Estado a incorporar a atual bolsa que os policiais penais recebem no valor de R$ 505 ao subsídio e contemplar a categoria com o IPCA.

A Secretaria de Estado de Ressocialização e Inclusão Social (Seris) já foi comunicada da paralisação e informou que a negociação do pleito está sendo feita pela Seplag.


Deixe uma resposta