Policiais frustram tentativa de fuga da delegacia de Palmeira dos Índios

Foto: 5ª DRP

Operação integrada entre agentes de inteligência da 5ª DRP de Palmeira dos Índios, 4ª DRP de Arapiraca, do GPJ3 e do 10º BPM, sob o comando dos delegados Rosivaldo Vilar (titular da delegacia regional de Palmeira dos Índios), Guilherme Iusten (titular da delegacia regional de Arapiraca), Mário Jorge (Gerente de Polícia Judiciária da Área 3) e do Major Luciano (comandante do 10º Batalhão de Polícia Militar) frustraram um plano de fuga dos presos custodiados na sede da 5ª Delegacia Regional de Palmeira dos Índios.

Na noite do dia 31 de dezembro de 2020, os policiais acima citados tiveram conhecimento de um plano de fuga que ocorreria naquele local. De imediato os policiais se deslocaram até a sede da 5ª DRP e iniciaram uma revista nas celas dos presos. Foram encontrados com os presos: 01 serra, 01 aparelho celular, 01 espeto de ferro, 01 carregador, 01 “teresa” (corda feita com lençóis), 01 faca artesanal feita com pedaço de panela, 01 faca feita com cabo de colher.

Foto: 5ª DRP

Em uma das celas as barras de ferro estavam serradas e aberto um espaço suficiente para a fuga dos presos. Os presos apenas aguardavam o melhor momento para fugirem.

As janelas existentes nas celas dos presos foi uma demanda solicitada pela defensoria pública de Palmeira dos Índios, contudo, criticada desde o início pelos policiais que ali trabalham, pois, é um ponto altamente vulnerável e que põe em risco os policiais de plantão. Segundo os policiais, comparsas podem jogar objetos pelo do lado de fora da delegacia, como armas, drogas ou celulares.

A Delegacia Geral de Polícia Civil, por meio do Delegado Geral Dr. Paulo Cerqueira, se comprometeu a fechar as referidas janelas na próxima semana, já que em primeiro lugar vem a segurança da sociedade e dos policiais que ali trabalham.

Dentre os presos que iriam fugir existem alguns que são considerados altamente perigosos, pois, já são condenados por latrocínios, homicídios, roubo a banco e tráfico de drogas.

 


Deixe uma resposta