Pela 1ª vez, Victor Hugo fala sobre ter sido barrado em voo em Maceió após alta da Covid

Pela 1ª vez, Victor Hugo fala sobre ter sido barrado em voo em Maceió após alta da Covid

Victor Hugo, sem dúvida, foi um dos principais destaques do Big Brother Brasil 20, em que realizou o sonho de entrar no reality show do qual era fã e por viver um romance utópico com Guilherme Napolitano. Contudo, o nome do ex-brother, de 26 anos, voltou aos destaques em dezembro de 2020, quando ele participou de uma festa do influencer Lucas Guimarães, marido de Carlinhos Maia, e foi infectado pela Covid-19.

“Eu não fiquei até o fim porque eu me senti um pouco incomodado pela situação e um certo medo pela minha saúde e não de um possível cancelamento. Foi uma decisão equivocada eu ter ido à festa, mas não me eximo da culpa”, assume ao iG Gente.

A doença foi avassaladora para o psicólogo que precisou ser internado às pressas em um hospital em Maceió, capital de Alagoas. A saúde dele piorou, se reestabeleceu em apenas alguns dias e poucas horas depois de receber alta, foi barrado ao tentar embarcar em um voo comercial. Apesar da notícia ter repercutido mal na imprensa, o ex-BBB explica – pela primeira vez em uma entrevista – que naquele momento já não transmitia mais a doença.

“Quando fui liberado do hospital, estava curado e não contagiava ninguém. Até coloquei isso em uma nota no meu Instagram. Eu jamais colocaria as pessoas em risco. O que aconteceu no hospital foi protocolar. Quando você tem Covid, mesmo curado, você precisa apresentar um documento que precisa ser emitido em uma farmácia mostrando que você não está mais contagiando as pessoas e ninguém disse que eu precisava.”

Ele lembra que os momentos que passou na UTI foram difíceis, com crises de ansiedade, além de estar em um estado grave que poderia realmente ter morrido. Victor declara que teve medo de perder a vida e acredita que tenha ganhado uma nova oportunidade para fazer tudo corretamente.

“Estou tentando fazer as coisas diferentes, aprender com os nossos erros e seguir em frente. Não vou mentir, ainda me sinto muito culpado porque, querendo ou não, quando você influencia as pessoas, tem um impacto nelas. Quero muito ser uma pessoa diferente”, acrescenta.

Outra notícia que o deixou magoado foi uma matéria da colunista Fábia Oliveira que afirmava que algumas enfermeiras reclamaram que o ex-brother era “insuportável” dentro da UTI.

“A minha experiência no hospital foi traumática, mas, com relação à equipe do hospital, só tenho coisas boas para falar. A qualidade do hospital e dos profissionais eram ótimas e eu fiquei surpreso delas terem falado isso, pois não existe paciente insuportável ou suportável, todos ali precisam de cuidados. É antiético elas terem falado aquilo de mim e eu estava em um estado muito debilitado e em sofrimento.”


Deixe uma resposta