Palmeira é o primeiro município a lançar Painel que monitora casos de Covid-19

Palmeira é o primeiro município a lançar Painel que monitora casos de Covid-19 – Foto: Assessoria

Com o objetivo de tornar mais fácil o acesso às informações referentes à Covid-19, o novo coronavírus, para a população de Palmeira dos Índios, foi lançado nesta sexta-feira (22), um painel interativo com informações atualizadas e a situação do vírus no município.

O Painel Covid-19 Palmeira foi desenvolvido por um grupo de alunos e egressos do Instituto Federal de Alagoas (Ifal), Campus Palmeira, sob a supervisão da professora Sheyla Marques, e será gerenciado pela Secretaria Municipal do Planejamento, em parceria com a Secretaria Municipal da Saúde.

A proposta é oferecer mais transparência dos dados relacionados à pandemia, com indicações georreferenciadas dos casos nos bairros da cidade, além de mais informações detalhadas para auxiliar na proteção dos cidadãos. Palmeira é o primeiro e único município do Estado a contar com uma ferramenta desse tipo para monitorar os casos da doença.

Atualmente, apenas o Governo do Estado conta com uma plataforma semelhante a esta. Uma segunda fase do projeto também está em desenvolvimento e deve entrar no ar no mês de junho. O Painel Covid-19 Palmeira dos Índios já está disponível e pode ser acessado pelo site da prefeitura, na aba que já reúne informações sobre a pandemia na cidade. O site do Ifal Campus Palmeira dos Índios também disponibiliza o acesso ao painel.

A plataforma desenvolvida pelos egressos do curso de Engenharia Civil do Ifal Palmeira Emanuel Amaral e o irmão Pablo Amaral Engenheiro de Petróleo, contou com a colaboração de membros do Grupo de Estudos de Tecnologias para Construção Civil/GETECC-IFAL para efetivar o mapeamento do município e cadastrar os casos da doença, registrados até a data da entrega do aplicativo ao governo municipal.

No comando do grupo de pesquisa, a professora Sheyla Marques destacou a importância da plataforma para melhor informar a população. “Agora, as pessoas vão conseguir acompanhar qual bairro tem mais casos, onde a situação está mais crítica e que faixa etária está sendo mais atingida”, explicou a docente.

De acordo com os desenvolvedores, o escopo da ferramenta foi montado para tentar automatizar o monitoramento do coronavírus, com base nos boletins epidemiológicos divulgados pelo estado. Por meio de um sistema interativo conhecido como Power BI, os dados lançados geram relatórios gráficos automaticamente e a população pode ter acesso à informação em tempo real, inclusive sobre como os casos estariam espalhados geograficamente pela cidade. “Ao passo em que se preenche uma planilha, os gráficos são gerados e se tem à disposição os dados para monitoramento”, reforçou Sheila Marques.

O Painel mostrará dados com o número atualizado de casos confirmados e de óbitos por coronavírus em Palmeira dos Índios, o gênero e a faixa etária desses casos, entre outros pontos. Além disso, a população poderá, por meio do painel de monitoramento, acompanhar a curva da evolução dos casos e o número de novos casos por dia. Informações mais detalhadas poderão ser obtidas através de filtros que podem ser acessados pelo cidadão. Gerenciada a partir de agora pela Secretaria do Planejamento, a plataforma dispõe também de mapas que auxiliam a visualização dos casos de forma mais dinâmica e ajudam o cidadão a perceber onde estão os casos no espaço geográfico da cidade.

A atualização será diária a partir das informações da Vigilância epidemiológica da Secretaria de Saúde. “Em um momento difícil como este que passamos, toda informação de qualidade é essencial para manter o cidadão informado. A luta é contra um inimigo invisível e esse painel permite ao cidadão ter uma noção atualizada constantemente de quantos são e onde estão os casos. Dessa forma, é como se permitisse a cada pessoa enxergar aquilo que a invisibilidade do vírus torna oculto e, assim, saber que precisa se proteger da forma que puder. Por isso, estaremos gerenciando essas informações”, explicou o secretário do Planejamento, Adalberon Sá Júnior.


Deixe uma resposta