Maceió e Arapiraca têm as maiores incidências de casos de Covid-19 de AL

Maceió e Arapiraca têm as maiores incidências de casos de Covid-19 de AL

Maceió e Arapiraca são os municípios com maior incidência de casos de Covid-19 a cada 100 mil habitantes no estado de Alagoas. A constatação faz parte do relatório mais recente do Observatório Alagoano de Políticas Públicas para Enfrentamento da Covid-19, da Universidade Federal de Alagoas (Ufal), divulgado nesta segunda-feira (1).

Alagoas registrou 3.223 casos e 66 óbitos na 8ª semana epidemiológica, de 21 a 27 de fevereiro, uma queda de 24% e 1%, respectivamente, em relação à semana anterior. Apesar da redução na incidência de casos e estabilização de óbitos, outros indicadores da pandemia continuaram aumentando: o número de casos suspeitos, a proporção de resultados positivos nos testes RT-PCR e a ocupação dos leitos de UTI.

“O conjunto de indicadores ainda aponta para um cenário de expansão da pandemia da Covid-19 em Alagoas, também evidenciado pelo número reprodutivo efetivo () que continua acima de 11, o que indica uma situação de descontrole da transmissão do novo coronavírus no estado”, diz um trecho do relatório.

Avanço da Covid-19 no interior

Segundo o levantamento, Maceió deixou de concentrar a maioria dos casos de Covid-19, o que pode indicar o avanço da doença pelo interior do estado, repetindo o comportamento da primeira onda de Covid-19, a partir de maio de 2020, quando a quantidade de casos do interior ultrapassou o da capital.

Impactos das aglomerações no carnaval

Os pesquisadores explicaram que a situação de descontrole da pandemia em Alagoas pode se agravar nas próximas semanas, quando os impactos das aglomerações do carnaval começarão a impactar as notificações, e alertam para a importância da participação da população nas medidas para o controle do contágio pelo novo coronavírus.

“Neste sentido, é urgente que a população acompanhe os esforços que o poder público tem feito para aumentar a oferta de atendimento, adotando com rigor medidas como uso da máscara, higienização das mãos e distanciamento social. Caso essas medidas continuem não sendo suficientes para conter o avanço da pandemia no estado, medidas mais restritivas deverão ser adotadas a fim de evitar o colapso do sistema de saúde alagoano, situação registrada nos últimos dias em diversas regiões brasileiras”, diz um trecho do relatório.


Deixe uma resposta