Edvaldo Silva, radialista da Rádio Sampaio 94.5 FM, morre em decorrência do covid-19

Edvaldo Silva nos estúdios da Rádio Sampaio.

Na madrugada desta terça-feira (16) Alagoas perdeu um de seus melhores radialistas, o grande Edvaldo Silva, de 64 anos, ele estava internado no Hospital de Emergência do Agreste (HEA) e faleceu em consequência das complicações provocadas pela covid-19.

Edvaldo trabalhava como radialista há mais de 40 anos e atuou como comentarista esportivo, repórter de rua e como âncora de programas jornalísticos. Na Rádio Sampaio há quase 20 anos, Edvaldo era o âncora do Programa Nosso Encontro, programa que ele conduzia há 15 anos com maestria, mas estava afastado desde o ano passado por problemas de saúde.

No início do mês Edvaldo perdeu sua filha Iza Castro, vítima do coronavírus, ela era assistente social e administradora do Hospital Memorial Djacy Barbosa, em Arapiraca.

Na semana passada Edvaldo precisou ser entubado, mas vinha apresentando uma melhora e estava se recuperando, entretanto não resistiu e veio a falecer na madrugada de hoje.

Edvaldo Silva, de 64 anos.

Edvaldo Silva era bastante conhecido em todo o estado e tinha o apelido de “Furão fantástico”, pois sempre tinha ótimos furos de reportagem. Em 2018 ele recebeu o prêmio como melhor Radialista de Palmeira dos Índios.

O sepultamento ocorrerá às 11 horas da manhã desta terça-feira (16), no cemitério São Francisco, em Arapiraca.

Nota de Pesar.

É com muita tristeza que recebemos a notícia da morte de um grande radialista que tantos anos trabalhou conosco.

As pessoas são insubstituíveis em sua existência, e quando são especiais, além da falta que fazem àqueles que as amam, deixam o mundo mais triste. Sem Edvaldo, o mundo perde um pouco do seu brilho, alegria e cor.

Não temos palavras para expressar os nossos sentimentos. Pedimos a Deus que conforte o coração dos familiares e amigos neste momento de dor. Que a luz e o amor divino pairem sobre a alma de todos que sofrem esta imensurável perda, e lhes dê serenidade para atravessar esta tempestade.

Edvaldo Silva, de 64 anos.

Deixe uma resposta