82 99641-3231

Praias alagoanas estão aptas para banho e seguem monitoradas

Praia do Pontal do Peba Piaçabuçu – Alagoas Brasil – DJI Phantom 3 4K

Um relatório sobre a situação das praias alagoanas atingidas pelas manchas de óleo foi emitido, nesta sexta-feira (11), pela Secretaria do Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Semarh) e aponta que as praias alagoanas estão aptas para banho.

Apesar das manchas encontradas em algumas praias do Estado, em especial na área do Litoral Sul, as ações de monitoramento e de limpeza das regiões junto aos municípios têm sido suficientes para manter a região própria para banho, como afirma o secretário executivo do Meio Ambiente e Recursos Hídricos, Alex Gama.

“Foi uma semana de acompanhamento com os municípios de todo o Litoral alagoano. No Norte, as praias estão limpas sem nenhum registro significante de fragmentos. E no Litoral Sul, nos municípios de Marechal Deodoro, Barra de São Miguel e Roteiro houve registro de materiais encontrados, mas já foi feita a limpeza. Apenas em Coruripe e Piaçabuçu, houve um volume expressivo de material encontrado, mas as prefeituras já estão realizando a limpeza das áreas afetadas”, disse Gama.

Os municípios de Coruripe e Piaçabuçu, locais onde foram identificados os maiores focos de manchas de óleo, vão seguir recebendo um atendimento especial O material já foi retirado e está recebendo encaminhamento à Central de Tratamento de Resíduos.

Os fragmentos que ainda podem ser encontrados são considerados insuficientes para alguma intervenção emergencial, e as prefeituras municipais continuam trabalhando para sanar os danos.

Não foram identificadas manchas de óleo adentrando a Foz do Rio São Francisco, porém segue o monitoramento da região e, caso haja a necessidade, haverá a descarga de vazões do reservatório de Xingó para evitar que possíveis manchas deste óleo cheguem ao rio São Francisco.

Monitoramento intensificado

Equipes da Semarh e do IMA/AL fizeram um monitoramento com o uso de drones e embarcações na região da foz do Rio São Francisco, até a região de Piaçabuçu, e não foram encontradas novas manchas de óleo se aproximando da costa de Alagoas.

 

 

 

 

 

*  Com TNH1


Ministro da Defesa diz que origem de óleo vazado está sendo apurada

Manchas de óleo surgiram no Litoral de Alagoas — Foto: Reprodução/TV Gazeta

O ministro da Defesa, Fernando Azevedo, disse hoje (10), em São Paulo, que o óleo que atingiu 138 localidades em 62 cidades de nove estados da Região Nordeste não é brasileiro e que ainda está sendo apurado o responsável pelo derramamento desse óleo.

“Está levantado o possível tipo do óleo, o DNA do óleo, que foi produzido por outros países, que não é o Brasil. O Brasil não tem aquele tipo de óleo. Estamos levantando, preliminarmente, os possíveis navios e as possíveis bandeiras que podem ter sido responsáveis pelo vazamento”, disse durante o Fórum de Investimentos Brasil 2019.

Um inquérito já foi aberto, mas ainda é inconclusivo. “Estamos levantando ainda a possível origem. Mas as investigações estão indo muito bem”, disse o ministro.

Segundo Azevedo, o vazamento pode ter sido um “incidente ou acidente”, mas “que teria que ter sido comunicado [ao Brasil]”.

Submarino

O presidente da República, Jair Bolsonaro, participa amanhã (11), no Rio de Janeiro, da cerimônia de integração do submarino Humaitá.

Fernando Azevedo disse que a integração do submarino é parte do programa de desenvolvimento de submarinos da Marinha do Brasil. “O objetivo é construir quatro submarinos convencionais e um submarino com propulsão nuclear, com transferência de tecnologia e expressivo uso da indústria nacional”.

“É um projeto do Programa de Submarinos. É nosso orgulho. Tivemos o primeiro lançamento do submarino convencional, que foi em dezembro do ano passado, e agora tem a junção principal do casco do submarino, que é o vão central. Isso será feito amanhã. Junta-se a parte central dele. O restante é mais fácil. E o próximo passo desse submarino, o Humaitá, será o lançamento em água. Isso significa que o projeto está indo muito bem”, explicou o ministro.

O primeiro Submarino Convencional Brasileiro (S-BR) foi lançado ao mar em 14 de dezembro do ano passado. O Humaitá será o segundo. Depois ainda virão o Tonelero e o Angostura. Já o Submarino com Propulsão Nuclear Brasileiro (SN-R) está previsto para ser lançado em 2029.

 

 

 

*   Com Agência Brasil


Bombeiros capturam jiboia em Palmeira dos Índios

Resultado de imagem para jiboia
Bombeiros capturam jiboia em Palmeira dos Índios – Foto: Ilustração

Conforme dados repassados pela assessoria de comunicação do Corpo de Bombeiros, o caso aconteceu no Povoado Candará, cidade de Palmeira dos Índios, a jiboia, que tinha aproximadamente 1,40m, estava nas imediações de uma escola e residências quando foi capturada.

Após ser localizada, a serpente foi solta pelos bombeiros em uma região chamada de mata da Cafurna.

Na terça-feira (07), o Corpo de Bombeiros capturou outra jiboia em um telhado de uma residência em Maragogi.A cobra também foi devolvida ao habitat natural após o trabalho dos bombeiros.

 

 

 

 

*   Com Alagoas 24 Horas


Cacique Raoni é um dos favoritos para ganhar o Nobel da Paz.

Cacique Raoni é um dos favoritos para ganhar o Nobel da Paz.

Amanhã, os organizadores do Prêmio Nobel da Paz anunciam o vencedor. Neste ano, nomes como o da ativista sueca Greta Thunberg ou do primeiro-ministro etíope, Abiy Ahmed, estão entre os mais citados. No total, foram 223 candidaturas de personalidades e 78 de organizações.

Mas não são poucas as publicações estrangeiras que colocam Raoni entre os cinco favoritos. Uma delas, a Time Magazine, lembro que o cacique “passou sua vida protegendo sua casa, a floresta Amazônica”.

Na Skybet, Raoni é o quarto colocado nas bolsas de apostas e, na imprensa em diferentes línguas, seu nome aparece entre os “favoritos”.

Em campanha desde o início do ano, a esperança daqueles que acompanham Raoni é de que os organizadores do prêmio optem por escolher alguém de fora da lista de nomes que receberam. Como a lista é fechada em janeiro, o cacique não foi incluído oficialmente.

Há poucas semanas, a Fundação Darcy Ribeiro apresentou a candidatura de Raoni para o prêmio de 2020. Mas, em Oslo, a percepção é de que a iniciativa feita antes mesmo da designação do vencedor de 2019 acabe levando o comitê de avaliação a se debruçar sobre o nome do cacique já para este ano.

Já é uma tradição os organizadores do Nobel optarem por uma surpresa e desprezar as “listas de favoritos” que circulam pela imprensa. Neste ano, uma das opções poderia ser a busca por um recado contra as fake news (notícias falsas), dando o prêmio para entidades como Repórteres Sem Fronteira ou outros grupos de imprensa. A mensagem seria de que a paz dependeria do combate à desinformação.

Finalista em outro prêmio

Papa Francisco abraça líder indígena Raoni em encontro no Vaticano — Foto: Vatican Media / AFP

O Nobel não é o único prêmio que Raoni concorre, o Parlamento Europeu o colocou como um dos cinco finalistas para receber o prêmio Sakharov, a principal homenagem de direitos humanos da UE (União Europeia). A vereadora assassinada Marielle Franco (PSOL) e a ambientalista brasileira Claudelice Silva dos Santos também estão na lista.

A distinção já havia sido dada para personalidades como Nelson Mandela, Aung San Suu Kyi, Mães da Praça de Maio e Malala, além da oposição venezuelana e dissidentes cubanos anticastristas.

No caso do cacique, ele é indicado por suas “quatro décadas de cruzadas para salvar a sua pátria, a floresta amazônica”.

“Ele é um símbolo vivo da “luta pela vida” das tribos, uma luta para proteger sua cultura única, que está diretamente ligada à própria natureza”, disseram os deputados.


Ibama encontra manchas de óleo em trecho da foz do Rio São Francisco, em AL

Pedaços de óleo encontrados na foz do Rio São Francisco foram recolhidos — Foto: Otávio Augusto/Arquivo Pessoal

Manchas de petróleo chegaram à foz do Rio São Francisco. A Marinha e o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis em Alagoas (Ibama-AL) encontraram o óleo no município de Piaçabuçu, em Alagoas, durante vistoria nesta quarta-feira (9).

O secretário de Meio Ambiente e Turismo de Piaçabuçu, Otávio Augusto, que acompanhou os trabalhos, informou que, além das manchas localizadas em trecho da areia do rio, também foram achadas duas tartarugas cobertas de óleo.

Uma delas, localizada na foz, estava morta; a outra, encontrada na praia de Feliz Deserto, estava com vida e foi encaminhada para tratamento em Sergipe.

Desde o início de setembro, crostas de óleo são vistas no litoral nordestino. Segundo o último balanço do Ibama, que ainda não inclui os trechos do rio em Piaçabuçu, o petróleo já atingiu 138 áreas. Em Alagoas, o último boletim do Ibama mostrou 16 locais em 10 municípios.

Na terça (8), órgãos ambientais sobrevoaram o litoral sul do estado para verificar a dimensão das manchas em Alagoas. Segundo o Ibama, pelo que foi analisado, as cidades mais afetadas foram Coruripe e Piaçabuçu.

Por conta do aparecimento de manchas de óleo no Litoral Alagoano, o Ibama divulgou informações sobre o que fazer ao encontrar manchas ou animais sujos de óleo.

 

 

 

 

 

*   Com G1


Bolsonaro: petróleo pode ter sido despejado “criminosamente”

O presidente Jair Bolsonaro disse hoje (8) que as manchas de petróleo que atingem o litoral do Nordeste desde o mês passado podem ter sido despejadas “criminosamente”. “É um volume que não está sendo constante. Se fosse de um navio que tivesse afundado estaria saindo ainda óleo. Parece que criminosamente algo foi despejado lá”, disse, ao deixar o Palácio da Alvorada, após reunião com o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles.

As manchas já atingem o litoral de todos os estados do Nordeste e seguem se movimentando pela costa brasileira. Trata-se de petróleo cru, ou seja, não se origina de nenhum derivado de óleo, como gasolina e outros. De acordo com Bolsonaro, a densidade da substância é “um pouquinho maior” que a água salgada, por isso, quando no mar, fica submersa.

O ministro Ricardo Salles também explicou que o movimento do óleo tem sido de ida e volta do mar para a costa. “Nosso papel é agir rápido para retirar aquilo que está em solo”, disse o ministro. Mais de 100 toneladas de borra de petróleo já foram recolhidas, de acordo com Salles.

Manchas de óleo surgiram no Litoral de Alagoas — Foto: Reprodução/TV Gazeta

Ontem (7), após reunião de emergência sobre o assunto no Ministério da Defesa, o presidente Bolsonaro destacou que o óleo não é produzido e nem comercializado no Brasil e que há uma suspeita sobre o seu país de origem. Hoje, perguntado novamente, ele voltou a dizer que essa é uma informação reservada. “Eu não posso acusar um país e vai que não é aquele vai, eu não quero criar um problema com outros países”, disse.

Um inquérito foi aberto pela Polícia Federal (PF), na semana passada, para apurar a origem da substância. A contaminação também é monitorada por órgãos como o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) e o Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) desde o dia 2 de setembro, quando as primeiras manchas foram localizadas no litoral nordestino.

Bolsonaro também determinou, por meio de decreto, publicado no último sábado (5), uma investigação sobre as causas e a responsabilidade sobre o derramamento do óleo.

 

 

 

*   Com Agência Brasil


Rua José e Maria Passos, nº 25 - Centro - Palmeira dos Índios - AL.

Redes sociais


Facebook

Whatsapp: 82 99641-3231

Fale conosco


82 99641-3231

© 2019 RÁDIO SAMPAIO - Todos os direitos reservados | Desenvolvido por Interactive MOnkey