Deputado Arthur Lira cobra governo de Alagoas e dos demais estados à baixarem os impostos dos combustíveis e do gás de cozinha.

residente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL)

O presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), disparou críticas contra a política de reajustes da Petrobras nesta terça-feira (28), e disse que o “Brasil não pode tolerar gasolina a quase R$ 7 e o gás a R$ 120” e que a casa irá discutir “alternativas”, durante a tarde, ele afirmou que colocará em votação um projeto que estabelece um valor fixo para o ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços), que é um imposto estadual.

Arthur Lira sugeriu que os governadores deem sua cota de sacrifício para baixar a alíquota do ICMS. De acordo com ele, a ideia é que com um valor fixo, o produto não fica vulnerável ao aumento do dólar nem ao aumento do petróleo, duas variantes que, na sua opinião, não podem ser controladas pelo governo.

“Ninguém aguenta mais dólar alto, ninguém aguenta mais combustível. E sabe o que é que faz o combustível ficar caro? São os impostos estaduais. Os governadores têm que se sensibilizar, e o Congresso Nacional vai debater o projeto que trata do imposto de ICMS, para que ele tenha valor fixo, que ele não fique vulnerável aos aumentos do dólar, porque esse a gente não controla”, afirmou Lira.

O deputado defende que o governo do estado continue recebendo os recursos do tributo, mas que não receba mais do que o valor da gasolina que é vendida nas refinarias.

“Esse assunto tem incomodado muito aos pais de família. E a gente vinha no caminho, mulheres dizendo: ‘Presidente, pelo amor de Deus, baixe o preço da gasolina”, completou.

Ainda segundo o presidente da Câmara, o governo federal já está abrindo mão dos seus impostos e dois governadores (do Rio Grande do Sul e o do Mato Grosso) estão baixando os impostos do combustível. “E os outros também têm que acompanhar, dar a sua cota de sacrifício, porque estão arrecadando muito nesse período de pandemia”, criticou.

“Amanhã, quarta (29), vamos colocar alternativas em discussão no Colégio de Líderes. O fato é que o Brasil não pode tolerar gasolina a quase R$ 7 e o gás a R$ 120”, disse Lira em uma rede social.


Deixe uma resposta