Com superlotação, recém-nascidos no Hospital Universitário estão internados em centro obstétrico

Com superlotação, recém-nascidos no Hospital Universitário estão internados em centro obstétrico

Crianças recém-nascidos no Hospital Universitário (HU) estão internadas em um Centro Obstétrico da unidade por conta da super lotação. O HU conta com 10 leitos neo-natais, mas todos estão ocupados.

A Secretaria de Saúde do Estado informou que a rede materno infantil ampliou 10 leitos de UTI Neo Natal em Arapiraca, que estão em pleno funcionamento, e que recentemente, outros 10 leitos foram entregues em Santana do Ipanema, mas não comentou nada sobre a situação do Hospital Universitário. Até a última atualização desta matéria a Sesau não enviou resposta sobre a unidade.

Um funcionário do hospital, que preferiu não se identificar, confirmou que o local está superlotado.

“Eu tenho alguns anos já trabalhando lá. A superlotação é contínua. Eu não lembro de dia da UTI neonatal não estar superlotada. O que acontece é que quando essa criança nasce dentro do Centro Obstétrico, fica alojada lá em cuidados de UTI. O que não é o local correto. Local devido para se manter uma criança”, disse o funcionário.

Boa parte das crianças que estão internadas no setor estão intubadas. Algumas nasceram prematuras, por isso, precisam de atenção especial pela equipe de saúde.

“O médico ele presta esse atendimento à criança. Ele faz a prescrição médica, entuba quando necessário, cateterismo umbilical, deixa o paciente estabilizado e ele sobe para dar atendimento aos outros pacientes que estão na UTI”, disse o funcionário que não quer ser identificado.

Célio Rodrigues, Superintendente do HU, informou que, apesar da lotação, não vai negar atendimento a novos pacientes. “Nós temos mais 5 leitos de UCI e ampliamos mais com mais 5 leitos e colocamos mais dois leitos extras na UTI neo Natal. Mas se chegar uma gestante que precise de atendimento, nós vamos atender. Pode chegar três, quatro, cinco, seis. Nós não pdoemos simplesmente pegar essas gestantes e mandar embora, se virar”, explicou Rodrigues.

E essa não é a primeira vez que o problema ocorre no HU. Há cerca de um ano crianças estavam na mesma situação. Na época os funcionários denunciaram a falta de profissionais.

O promotor Magno Alexandre Moura, que preside o Conselho Estadual dos Direitos Humanos informou que irá tomar providências sobre o caso. Nós vamos demandar junto as entidade que precisam tomar atenção, a exemplo da Secretaria de Saúde. Qual a quantidade que tem e a capacidade de absorção de UTI Neo Natal, juntamente ao Município e ao Hospital Universitário. E vamos buscar junto ao Conselho Regional de Medicina uma inspeção se há a adequação correta dessas crianças que alí estão”, concluiu o promotor.


Deixe uma resposta