Bombeiros buscam por desaparecidos após temporal no Rio de Janeiro

Bombeiros buscam por desaparecidos após temporal no Rio de Janeiro

Bombeiros continuam neste domingo (3) a busca por desaparecidos após o temporal que deixou ao menos 16 mortos no Rio de Janeiro.

Segundo a Defesa Civil, entre oito a dez pessoas ainda são procuradas em Angra dos Reis, que sofreu a pior chuva da história. As buscas se concentram na região de Monsuaba e em Ilha Grande.

A Defesa Civil confirmou neste domingo a oitava morte no município. Outras sete pessoas – de uma mesma família – morreram em Paraty, também na Costa Verde, e mais um óbito ocorreu em Mesquita, na Região Metropolitana do Rio, onde um homem foi eletrocutado durante a enchente.

As chuvas que atingiram o estado foram causadas por acúmulo de umidade na região litorânea. O meteorologista do Climatempo, César Soares, afirmou que uma frente fria trouxe instabilidade para o tempo da região já na última quinta-feira (31).

O governador Cláudio Castro criou um gabinete de crise, com a participação de várias secretárias.

Em mensagem publicada nas redes sociais, o prefeito afirmou que a madrugada no Rio contou com muitas ocorrências. O prefeito voltou a pedir que a população evite deslocamentos desnecessários.

“A tendência é que a gente ainda tenha chuva hoje, a princípio mais fraca para moderada. Então o meu pedido para vocês é que fiquem atentos, se puder evitar deslocamentos desnecessários a gente agradece para que a gente possa arrumar a cidade ao longo do dia”, disse Paes.

Angra dos Reis nunca havia registrado um volume de chuva tão alto em apenas 48 horas. No período, a prefeitura registrou índices recorde: foram 655 mm na área que fica no continente e 592 mm na Ilha Grande, que também faz parte de Angra.

O Corpo de Bombeiros informou ter resgatado ao menos cinco pessoas com vida, que foram levadas para o Hospital da Japuíba. Seis grupamentos da corporação e agentes da Defesa Civil trabalhavam nas buscas pelos desaparecidos pela manhã.

Outras cidades da Baixada também registraram alagamentos. A Prefeitura de Nova Iguaçu afirmou que a cidade registrou 141 mm de chuva no bairro Moquetá, o que equivale a 148% da média de chuva do mês de abril. O Hospital Estadual Ricardo Cruz, inaugurado há um ano, ficou inundado.


Deixe uma resposta