​Com só 24% do estoque de sangue, Hemoal cancela liberação para cirurgias eletivas

​Com só 24% do estoque de sangue, Hemoal cancela liberação para cirurgias eletivas

Se antes da pandemia do novo coronavírus o Hemocentro de Alagoas (Hemoal) travava uma batalha árdua para manter o estoque de sangue estabilizado, desde março, quando foi registrado o primeiro caso de covid-19, a luta ganhou contornos ainda mais difíceis, em razão do isolamento social necessário para frear a disseminação da doença. Desde então, o hemocentro alagoano adotou todas as medidas sanitárias para resguardar a saúde dos voluntários e servidores, além de agendar as doações, promover coletas externas em condomínios e transportar os doadores até os postos de coleta em Maceió e Arapiraca. Mas, mesmo assim, a situação chegou a um nível crítico, e o fornecimento de sangue para as cirurgias eletivas foi suspenso nesta quinta-feira (20/08).

A suspensão se deve ao fato de o Hemoal dispor de apenas 24% do estoque de sangue necessário para atender à demanda transfusional, que é suficiente para assegurar apenas a assistência dos casos de urgência e emergência, a exemplo das vítimas de acidentes de trânsito e feridos por arma branca e de fogo que são atendidas no Hospital Geral do Estado (HGE), em Maceió, e no Hospital de Emergência do Agreste (HEA), em Arapiraca. Em números absolutos: enquanto seriam necessárias no mínimo 300 bolsas, o hemocentro alagoano dispõe de apenas 74, com todas as tipagens sanguíneas em estado crítico, a exemplo do O Negativo, que é doador universal.

“Todas as medidas do Plano de Contingência Estadual foram adotadas. Mas, agora, apenas a solidariedade pode reverter o cancelamento das cirurgias eletivas. Apelamos para que as pessoas se sensibilizem com a situação dramática e saiam de casa nas situações de extrema necessidade, a exemplo de se candidatar à doação voluntária de sangue, cujo procedimento é totalmente seguro. Sem sangue, as cirurgias eletivas não podem ocorrer e, com isso, a vida de muitos alagoanos está sob risco”, afirmou a gerente do Hemoal, médica hematologista Verônica Guedes.

Onde doar – Na capital alagoana, o Hemoal Maceió está localizado na Rua Dr. Jorge de Lima, no bairro Trapiche. O atendimento ocorre de segunda a sexta-feira, das 7h às 18h, e aos sábados, das 8h às 17h. Já no interior, as doações podem ser feitas no Hemoal Arapiraca, no prédio do Laboratório Municipal, que atende de segunda a sexta-feira, das 7h30 às 17h30, e está localizado na Rua Desportista Ernesto Alves Siqueira, no bairro Centro.

Os interessados em se candidatar à doação de sangue devem ter peso igual ou superior a 50 quilos, no mínimo 16 anos, além de portar um documento de identificação com foto. No caso dos menores de 18 anos, é imprescindível estar acompanhado dos pais e portando um documento de identificação oficial e original dos responsáveis.

Portaria expedida pelo Ministério da Saúde (MS) informa que, ficam impedidas de se candidatar à doação de sangue as pessoas que tenham contraído hepatite após os 11 anos de idade, além de sífilis, Aids e doença de Chagas. No caso das gestantes e lactantes, é proibida a doação e, para repetir o ato, os homens devem respeitar o prazo de dois meses e as mulheres ficam impedidas durante três meses.

Novo coronavírus – Os voluntários que vierem a contrair o novo coronavírus ficarão impedidos de doar sangue por 30 dias após a cura. O impedimento momentâneo foi determinado pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), órgão vinculado ao Ministério da Saúde (MS). Já os que tiveram contato com pessoas infectadas devem aguardar 14 dias e, caso não apresentem sintomas, podem se dirigir ao Hemoal.

Agendamento – Para facilitar o acesso dos candidatos à doação de sangue neste período pandêmico, o Hemoal adotou duas estratégias. Além de agendar a doação presencial, por meio dos telefones 3315 2109 (Maceió) e 3539 8285 (Arapiraca), os voluntários podem se reunir em grupos de até 10 pessoas para solicitar a Hemovan, que irá transportá-los até as Unidades Maceió e Arapiraca, respeitando os limites de distanciamento social.


Deixe uma resposta