Palmeira dos Índios
26 ºC Céu Limpo

Palmeira dos Índios | Céu Limpo
26 ºC

82 99641-3231 (pedido musical)

82 99947-6977 (jornalismo)

82 99641-3231 (pedido musical)

82 99947-6977 (jornalismo)

Huawei acusa EUA de intimidação e disse que trabalha com Google para combater restrições

Celulares da Huawei são exibidos em uma loja de serviços de telecomunicações em Hong Kong — Foto: Kin Cheung/AP

A Huawei afirmou nesta terça-feira (21) que é vítima de intimidação dos Estados Unidos e que está trabalhando com o Google para combater restrições comerciais impostas por Washington na semana passada, disse um executivo sênior da fabricante chinesa de equipamentos de telecomunicações.

O governo dos EUA alegou que impôs as restrições por causa do que chama de envolvimento da Huawei em atividades contrárias à segurança nacional ou a interesses de política externa norte-americana.

Na segunda-feira, o governo dos EUA diminuiu temporariamente as restrições para minimizar o transtorno dos clientes do grupo chinês, um movimento rejeitado pelo fundador da Huawei, que disse que a empresa de tecnologia havia se preparado para a ação dos EUA.

No domingo, o Google suspendeu os negócios com a Huawei, que exigem a transferência de hardware, software e serviços técnicos, exceto aqueles disponíveis publicamente via licenciamento de código aberto, citando uma fonte familiarizada com o assunto.

“Eles (o Google) têm motivação zero para nos bloquear. Estamos trabalhando em conjunto com o Google para descobrir como a Huawei pode lidar com a situação e o impacto da decisão do Departamento de Comércio dos EUA”, disse Abraham Liu, representante da Huawei para as instituições da UE.

Liu disse que a Huawei não culpa o Google pela decisão e que é cedo demais para dizer quais serão as consequências.

“A Huawei está se tornando a vítima de intimidação pela administração dos EUA. Isso não é apenas um ataque contra a Huawei. É um ataque à ordem liberal, baseada em regras”, acrescentou Liu.

Fonte: G1 Globo


Sem projeto para atrair indústrias, Palmeira dos Índios vive problemas sérios com 15 mil desempregados e a fuga de divisas para municípios vizinhos.

Palmeira dos Índios – AL

A falta de um estudo cuidadoso visando aproveitar o potencial agrícola existente no município de Palmeira dos Índios e uma pesquisa detalhada no setor comercial que identifique a capacidade econômica do setor e ajude na elaboração de um amplo projeto com o intuito de responder aos mais de 15 mil desempregados na região, não tem sido prioridade da gestão pública e empresarial.

Palmeira dos Índios é conhecida como sede de uma região rica no cultivo e produção de várias culturas como: pinha, banana, caju, umbu, apicultura, além de ser forte na criação e reprodução de bovino, caprino, ovino e suíno, mas não há conhecimento de nenhuma mobilização da parte do poder público que possa atrair investidores do Estado e do Brasil para explorar o potencial existente no município e capaz de contribuir na implantação de indústrias e pesar fortemente para abrir vagas de emprego, pesquisas e atrair novas lojas de diversos segmentos já que na região existem famílias com um vasto poder de compra e pela falta de opção gastam cerca de três milhões de reais por mês em Arapiraca, Garanhuns e Maceió.

Não bastasse a fuga de divisas, centenas de jovens deixam a região para estudarem em outras cidades e por lá ficam na esperança de concluírem suas faculdades e conseguirem um emprego onde estão. Os jovens que terminam seus estudos de nível superior nas três faculdades existentes em Palmeira dos Índios, UNEAL, UFAL e CESMAC, além do IFAL que forma 120 alunos com curso técnico por ano e mais 80 com nível superior em Engenharia Civil e Sistemas Elétricos, não tem perspectiva de futuro promissor.

O comércio palmeirense se sustenta financeiramente nos salários dos servidores públicos, municipais, estaduais, federais e aposentados, o que, mesmo com a fuga de capital, ainda gira em torno de cinco milhões de reais mensais.


Secretário fala em ‘ruído’ e diz que não há texto alternativo à reforma da Previdência

O secretário especial da Previdência, Rogério Marinho, em apresentação na Câmara no dia 8 de maio — Foto: Pablo Valadares/Câmara dos Deputados
O secretário especial da Previdência, Rogério Marinho, em apresentação na Câmara no dia 8 de maio — Foto: Pablo Valadares/Câmara dos Deputados

O secretário especial de Previdência do Ministério da Economia, Rogério Marinho, afirmou nesta segunda-feira (20) que não será apresentado por parlamentares um texto alternativo à proposta da reforma da Previdência.

Segundo ele, eventuais modificações que possam ser feitas acontecerão em cima da proposta do Executivo “como sempre foi no parlamento”. Ele classificou as informações de que poderia ser apresentado um texto alternativo como “ruído de comunicação”.

“Não há dificuldade, o que houve foi um ruído de comunicação. O próprio presidente [da comissão especial da reforma da Previdência], Marcelo Ramos, deu uma segunda declaração nesse sentido, para toda a imprensa, dizendo que as alterações que poderão ocorrer serão em cima do projeto apresentado pelo governo, como sempre foi no parlamento”, declarou.

O secretário afirmou ainda que a proposta do governo é a mais “adequada” para mudanças nas regras previdenciárias, mas acrescentou que o Parlamento “aponta no sentido de fazer algumas modificações, mas a base é o texto do governo”.

“Esse é o momento em que o protagonismo está com o Congresso Nacional. O texto está na comissão especial. A própria dinâmica do processo e a legislação pressupõe que as modificações serão feitas pelo parlamento brasileiro”, acrescentou o secretário.

Mudanças no texto

Questionado se o governo já tem compensações planejadas para o caso de o texto original ser modificado, Marinho afirmou que o relator, deputado Samuel Moreira (PSDB-SP), tem dito que vai manter um “imapcto fiscal relevante” na reforma.

“O que o relator tem nos dito é a sua determinação de apresentar um texto que respeite os pressupostos ditos anteriormente e com um impacto fiscal relevante. Não adianta termos esse processo de desgaste para não termos um impacto que signifique uma tranquilidade para o país pelo menos nos próximos 20 anos”, acrescentou.

O secretário citou os pontos que o governo considera como “espinha dorsal” da reforma:

  • idade mínima de aposentadoria, com o fim da aposentadoria somente por tempo de contribuição;

  • estabelecimento de regras iguais para o setor público e o setor privado;

  • contribuições menores para quem ganha menos, e maiores para quem tem um salário mais alto.

Marinho disse ainda que o governo vai se manifestar sobre as eventuais modificações propostas pelo Legislativo somente quando elas forem formalizadas.

“Vamos nos posicionar oportunamente, quando a apresentação do relatório de Samuel Moreira. Se for na linha do que acreditamos, evidentemente que haverá apoio do governo. O que nos interessa é o impacto fiscal e a manutenção da linha mestra do projeto enviado ao Congresso”, concluiu.

Fonte: G1 Globo


Combustível fica mais caro em Alagoas a partir desta quinta (16)

O preço dos combustíveis vai subir em Alagoas, a partir desta quarta-feira (15). Em tabela publicada no Diário Oficial da União (DOU), no dia 9 deste mês, o Conselho Nacional de Política Fazendária (Confaz) determinou os novos preços oficiais dos combustíveis ao consumidor final. Com a alta, o preço médio da gasolina comum vai para R$ 4,70; da aditivada R$ 4,79; diesel S10 R$ 3,88; oléo diesel para R$ 3,81.

Na semana passada, em audiência no Congresso, o presidente da Associação Brasileira dos Caminhoneiros (Abcam), José da Fonseca Lopes, confirmou que a categoria entrará em greve, caso Bolsonaro não interfira na Petrobras e reveja a política de reajuste do diesel. “Se o governo não se atentar para isso, nós vamos ter um problema muito sério. Aí não vai ter Exército, não vai ter nada, porque ninguém vai ter combustível. Como é que vai fazer? Se acontecer, é para desestabilizar o País”, declarou Lopes.

Fonte: 7 Segundos


Mega-Sena: Aposta feita pela internet ganha sozinha e leva R$ 289 milhões

A Caixa realizou na noite deste sábado (11) o concurso 2.150 da Mega-Sena, com expectativa de prêmio de R$ 289 milhões. Apenas uma aposta acertou as seis dezenas.

A aposta foi feita pela internet, mas a Caixa não divulgou em qual cidade ela foi realizada.

As dezenas sorteadas foram: 23 – 24 – 26 – 38 – 42 – 49.

A Quina teve 838 acertadores. Cada um vai ganhar R$ 30.450,20. Outras 56.994 pessoas ganharam na Quadra. Neste caso, o prêmio é de R$ 639,59.

Este é o maior prêmio entre os concursos regulares da história. O sorteio foi às 20h (horário de Brasília) em São Paulo (SP). De acordo com a Caixa, foram feitas 126,3 milhões de apostas nas lotéricas do país e pela internet.

Para o próximo sorteio, a expectativa de prêmio é de R$ 3 milhões.

Probabilidades

A probabilidade de vencer em cada concurso varia de acordo com o número de dezenas jogadas e do tipo de aposta realizada. Para a aposta simples, com apenas seis dezenas, com preço de R$ 3,50, a probabilidade de ganhar o prêmio milionário é de 1 em 50.063.860, segundo a Caixa.

Já para uma aposta com 15 dezenas (limite máximo), com o preço de R$ 17.517,50, a probabilidade de acertar o prêmio é de 1 em 10.003, ainda segundo a Caixa.


Mega-Sena de R$ 275 milhões pode render mais de R$ 1 milhão por mês na poupança, sorteio acontecera hoje

A Mega-Sena acumulou pela 14º vez consecutiva e pode pagar R$ 275 milhões a quem acertar as seis dezenas do concurso 2.150. O sorteio será neste sábado (11), às 20 horas (horário de Brasília), no Espaço Loterias Caixa, localizado no Terminal Rodoviário do Tietê, em São Paulo (SP).

De acordo com a Caixa, caso haja apenas um ganhador e o dinheiro seja aplicado na poupança, é possível receber mais de R$ 1 milhão por mês.

Este é o maior prêmio da Mega-Sena acumulado na história entre concursos regulares sem contar Mega da Virada. O segundo maior valor acumulado nesta categoria até hoje é o concurso de número 1763, de 21 de novembro de 2015, que ficou acumulado em R$ 200 milhões.

Por que acumulou para R$ 275 milhões?

O valor acumulado de R$ 275 milhões é R$ 105 milhões maior que o último prêmio sorteado. O concurso anterior estava acumulado em R$ 170 milhões.

Segundo a Caixa, o valor acumulado aumentou, pois além do prêmio acumulado nos sorteios anteriores, o concurso deste sábado (2.150), por ter final zero, recebe um adicional de 22% no valor do prêmio, que é acumulado ao longo dos demais sorteios. Todos os concursos de final 0 e 5 recebem esse adicional.

Para apostar na Mega-Sena

As apostas podem ser feitas até as 19h (de Brasília) do dia do sorteio, em qualquer lotérica do país ou pela internet. A aposta mínima custa R$ 3,50.

Pela internet também é possível adquirir combos. São seis opções que inclui várias modalidades. Na seleção do combo, o apostador pode escolher entre visualizar os números selecionados em cada aposta ou o formato “Surpresinha”, no qual o sistema escolhe aleatoriamente os números da aposta, quando da sua efetivação. O valor mínimo para apostar na internet é de R$ 30 e o máximo de R$ 500 por dia.

Probabilidades

A probabilidade de vencer em cada concurso varia de acordo com o número de dezenas jogadas e do tipo de aposta realizada. Para a aposta simples, com apenas seis dezenas, com preço de R$ 3,50, a probabilidade de ganhar o prêmio milionário é de 1 em 50.063.860, segundo a Caixa.

Já para uma aposta com 15 dezenas (limite máximo), com o preço de R$ 17.517,50, a probabilidade de acertar o prêmio é de 1 em 10.003, ainda segundo a Caixa.


Rua José e Maria Passos, nº 25 - Centro - Palmeira dos Índios - AL.

Redes sociais


Facebook

Whatsapp: 82 99641-3231

Fale conosco


82 99641-3231

© 2020 RÁDIO SAMPAIO - Todos os direitos reservados | Desenvolvido por Interactive MOnkey