82 99641-3231 (pedido musical)

82 99947-6977 (jornalismo)

Arthur Lira propõe a governadores criação de Fundo de Combate à Pandemia

Arthur Lira propõe a governadores criação de Fundo de Combate à Pandemia

O presidente da Câmara dos Deputados, deputado Arthur Lira (PP-AL), propôs aos governadores em reunião nesta terça-feira (2) que seja criado dentro do Orçamento da União 2021 o que ele chamou de “Fundo de Combate à Pandemia”. O fundo seria uma forma de organizar as despesas do combate à pandemia, dentro do teto de gastos.

Com a criação do fundo, Lira, que ainda vai ouvir os governadores, sugeriu três coisas:

  • 1) que a alocação de novos recursos sempre tenha compensação, de forma a não extrapolar o teto;

  • 2) que os parlamentares destinem as suas emendas ao combate à pandemia em seus Estados;

  • 3) que as receitas extras sejam destinadas ao combate à pandemia.

Havia a expectativa de que os governadores pedissem para 2021 um novo Orçamento de Guerra, a exemplo do que ocorreu ano passado, mas a proposta de Lira aos governadores é de gastos focados à pandemia, mas dentro do teto e com o uso das emendas do parlamentares.

Além de Lira e de 21 governadores, alguns de forma remoto e outros de forma presencial, participa da reunião a presidente da Comissão Mista de Orçamento (CMO), deputada Flávia Arruda (PL-DF).

Antes da reunião com Lira, o governador do Piauí, Wellington Dias (PT), coordenador de vacinação do Fórum Nacional de Governadores, disse que o objetivo da reunião era garantir recursos para Saúde nos Estados:

“O orçamento veio com corte de R$ 43 bilhões em relação da 2020, não queremos que falte recursos para a Saúde e para outras doenças. Vamos tratar do auxílio emergencial, porque a fome não tira férias. Se a gente tinha necessidade de auxílio até dezembro o que mudou em janeiro e fevereiro? A gente que está na ponta está vendo a dificuldade das famílias, sem é claro desmantelar o sistema de Saúde e Educação. E junto com cronograma da vacina, [precisamos ter] um plano de retomada da economia, quais as medidas que vamos priorizar”.

Visita à União Química

Os governadores, estiveram na manhã desta terça-feira (2) na fábrica da União Química, em Brasília, que deve produzir no Brasil a vacina Sputinik V, assim que tiver as autorizações necessárias. Wellington Dias falou sobre o resultado da visita:

“Ficou acertado grupo de trabalho para que União Química possa apresentar a finalização da transferência tecnológica para produzir o insumo em abril. Eles falaram que inicialmente produziriam 8 milhões de doses[em abril]. E agora queremos saber quanto poderão entregar em abril e até agosto. Esse ponto é importante para tomada de decisão de compra tanto dos governadores quanto do governo federal”.

De acordo com o governador, a União Química apresentou o compromisso de entregar as informações adicionais que estão sendo pedidas pelas autoridades sanitárias brasileiras.


Bolsonaro zera PIS e Cofins do diesel e do gás de cozinha

O presidente da República editou na noite desta segunda-feira (1º) um decreto e uma medida provisória que zera as alíquotas da contribuição do Programas de Integração Social e de Formação do Patrimônio do Servidor Público (PIS) e da Contribuição para Financiamento da Seguridade Social (Cofins) incidentes sobre a comercialização e a importação do óleo diesel e do gás liquefeito de petróleo (GLP) de uso residencial. A medida foi publicada em edição extra do Diário Oficial da União.

Em relação ao diesel, a diminuição terá validade durante os meses de março e abril. Quanto ao GLP, ou gás de cozinha, a medida é permanente. A redução do gás somente se aplica ao GLP destinado ao uso doméstico e embalado em recipientes de até 13 quilos. “As duas medidas buscam amenizar os efeitos da volatilidade de preços e oscilações da taxa de câmbio e das cotações do petróleo no mercado internacional”, informou a Secretaria-Geral da Presidência da República.

Para cumprir a Lei de Responsabilidade Fiscal, como forma de compensação tributária, também foi editada uma medida provisória aumentando a Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL) das instituições financeiras, alterando as regras de Imposto sobre os Produtos Industrializados (IPI) para a compra de veículos por pessoas com deficiência e encerrando o Regime Especial da Indústria Química (Reiq).

“Para que o final do Reiq não impacte as medidas de combate à Covid-19, foi previsto um crédito presumido para as empresas fabricantes de produtos destinados ao uso em hospitais, clínicas, consultórios médicos e campanhas de vacinação que utilizem na fabricação desses produtos insumos derivados da indústria petroquímica, o que deve neutralizar o efeito do fim do regime para essas indústrias, que vigorará até o final de 2025”, informou a Secretaria-Geral.

As novas regras do IPI entram em vigor imediatamente. O aumento da CSLL e o final do Reiq entrarão em vigor em 1º de julho.

As medidas de redução do PIS e da COFINS no diesel e no GLP resultarão em uma redução da carga tributária de R$ 3,67 bilhões em 2021 neste setor. Para 2022 e 2023, a diminuição da tributação no gás de cozinha implicará em uma queda de arrecadação de R$ 922,06 milhões e R$ 945,11 milhões, respectivamente.


Universidades federais têm até dezembro para adotar diploma digital

Universidades federais têm até dezembro para adotar diploma digital

As 69 universidades federais e as 41 instituições da rede federal de educação profissional e tecnológica do país terão até 31 de dezembro de 2021 para passar a emitir diplomas digitais. O prazo consta da Portaria n° 117/2021 do Ministério da Educação (MEC), publicada nesta segunda-feira (1) no Diário Oficial da União.

A versão digital do diploma universitário foi anunciada em 2019 e regulamentada em dezembro passado. A expectativa do MEC é de que o documento reduza a burocracia no processo de geração e emissão de diplomas e ajude a impedir fraudes e falsificações.

O tempo de emissão do documento também será menor, deve passar de 90 para 15 dias. O certificado digital deve beneficiar 8 milhões de estudantes. No Brasil as primeiras instituições a adotar esse formato foram a Universidade Federal da Paraíba e a Universidade Federal do Rio Grande do Norte.


Auxílio de R$ 250 por quatro meses está “quase certo”, afirma Bolsonaro

Auxílio de R$ 250 por quatro meses está “quase certo”, afirma Bolsonaro

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) afirmou a apoiadores que está “quase tudo certo” para que o valor da nova rodada do auxílio emergencial seja de R$ 250, com duração de quatro meses. De acordo com o chefe do Executivo, o benefício movimenta a economia local.

“Tive uma reunião ontem à noite de quase três horas aqui… R$250,00 por quatro meses. Alguns reclamam que é muito pouco. Meu Deus do céu, alguém sabe quanto custa para todos vocês?”, questionou.

Bolsonaro, no entanto, disse que o benefício é um auxílio e não uma aposentadoria. Ele também reforçou que o Governo Federal não tem dinheiro em cofre.

A afirmação também foi dada, nesta segunda-feira (1º), pelo presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira. De acordo com o parlamentar, o auxílio será pago apesar da Proposta de Emenda à Constituição que inclui o pagamento, a chamada PEC Emergencial, ainda não ter acordo para ir à votação.


Saiba quanto cada Estado recebeu do Governo Federal em 2020

Saiba quanto cada Estado recebeu do Governo Federal em 2020

O presidente Jair Messias Bolsonaro (sem partido), compartilhou em suas redes sociais na tarde deste domingo (28), os valores repassados pelo Governo Federal aos Estados em 2020.

Os valores estão disponíveis nos sites Portal da Transparência, Localiza Sus e Senado Federal e foram contabilizados até o dia 15 de fevereiro. Os valores diretos são referentes a área da saúde, já os valores indiretos se referem a suspensão e renegociação de dívidas.

 

Confira quanto cada Estado recebeu do Governo Federal em 2020:

Acre: R$ 6,8 bilhões.

Auxílio: R$ 1,38 bilhão.

Alagoas: R$ 18,09 bilhões.

Auxílio: R$ 5,46 bilhões.

Amazonas: R$ 18,5 bilhões.

Auxílio: R$ 6,84 bilhões.

Amapá: R$ 6,7 bilhões.

Auxílio: R$ 1,47 bilhões.

Bahia: R$ 67,2 bilhões.

Auxílio: R$ 25,35 bilhões.

Ceará: R$ 42,5 bilhões.

Auxílio: R$ 15,17 bilhões.

Distrito Federal: R$ 9,8 bilhões

Auxílio: R$ 3,45 bilhões.

Espírito Santo: R$ 16,1 bilhões.

Auxílio: R$ 5,57 bilhões.

Goiás: R$ 27,1 bilhões.

Auxílio: R$ 9,95 bilhões.

Maranhão: R$ 36 bilhões.

Auxílio: R$ 11,8 bilhões.

Mato Grosso: R$ 15,4 bilhões.

Auxílio: R$ 4,96 bilhões.

Mato Grosso do Sul: R$ 11,9 bilhões.

Auxílio: R$ 3,71 bilhões.

Minas Gerais: R$ 81,4 bilhões.

Auxílio: R$ 26,96 bilhões.

Pará: R$ 39,5 bilhões.

Auxílio: R$ 14,71 bilhões.

Paraíba: R$ 21,2 bilhões.

Auxílio: R$ 6,57 bilhões.

Paraná: R$ 38,6 bilhões.

Auxílio: R$ 13,7 bilhões.

Pernambuco: R$ 42,7 bilhões.

Auxílio: R$ 16,2 bilhões.

Piauí: R$ 19 bilhões.

Auxílio: R$ 5,68 bilhões.

Rio de Janeiro: R$ 76 bilhões.

Auxílio: R$ 24,94 bilhões.

Rio Grande do Norte: R$ 18,3 bilhões.

Auxílio: R$ 5,55 bilhões.

Rio Grande do Sul: R$ 40.9 bilhões.

Auxílio: R$ 12,2 bilhões.

Rondônia: R$ 8,6 bilhões.

Auxílio: R$ 2,64 bilhões.

Roraima: R$ 5,1 bilhões.

Auxílio: R$ 1,04 bilhão.

Santa Catarina: R$ 21,6 bilhões.

Auxílio: R$ 7,22 bilhões.

São Paulo: R$ 135 bilhões.

Auxílio: R$ 55,19 bilhões.

Sergipe: R$ 12,9 bilhões.

Auxílio: R$ 3,85 bilhões.

Tocantins: R$ 10,5 bilhões.

Auxílio: R$ 2,28 bilhões.


Marília Mendonça diz ter vendido carro por crise financeira na pandemia

(Reprodução/Instagram)

A crise econômica por causa do novo coronavírus parece ter chegado à cantora Marília Mendonça, 25. De acordo com ela, foi preciso vender um carro para conter as despesas de uma época em que ninguém conseguiu trabalhar como queria. “Efeito da pandemia, né? É a vida”, disse.

O ano de 2020 foi a época em que Mendonça menos trabalhou. As revelações foram feitas por ela durante um bate-papo com seguidores no Instagram. “E pelo visto não será em 2021”, emendou.

Um dos seguidores sugeriu que ela comprasse um helicóptero em tempos de dificuldade e ela respondeu de forma bem-humorada. “Eu vendendo os trens e vocês mandando eu comprar helicóptero. Não é possível. Devem achar que eu sou o Silvio Santos, mesmo”, comentou enquanto tentava se livrar do congestionamento.

Marília Mendonça sempre fez o estilo sincera nas redes sociais. Em dezembro de 2020, ela revelou por meio das redes sociais que muita gente parou de segui-la e até de gostar dela depois que anunciou a gravidez do filho, Léo, fruto de seu relacionamento com Murilo Huff, 25.

“Quando veio a notícia da gravidez, muitos fãs abandonaram o barco. Nada me deixou mais chateada nessa vida. Se você ama o meu filho, você me ama. Obrigada por tanto carinho com meu pequeno!”, escreveu ela.

Já em janeiro de 2021, a cantora rebateu uma seguidora que disse que ela tinha a obrigação de ser magra por causa de seu dinheiro e sua pouca idade. O fato ocorreu após a publicação de um vídeo no qual Mendonça mostrava a boa forma de biquíni. “Aquela fase das férias que você só quer voltar para casa”, escreveu ela na legenda.

Foi então que a seguidora resolveu dar sua opinião. “Realmente, Marília Mendonça, você tem que estar com esse corpo, né, o dinheiro que você tem e com a idade que você tem realmente é o mínimo”, disparou.

A artista não deixou por menos. “Eu não ‘tenho’ que estar com nada, minha senhora. Nem eu nem ninguém”, emendou. No comentário, foram praticamente unânimes os apoios à Marília. Havia mais de 900 postagens após a resposta da cantora.


Redes sociais


Contato


Rua José e Maria Passos, nº 25 - Centro - Palmeira dos Índios - AL.

(82) 99641-3231


TELEFONE FIXO - ESTUDIO:
(82)-3421-4842

SETOR FINANCEIRO: (82) 3421-2289 / 99636-5351
(Flávia Angélica)

COMERCIAL:
(82) 99621-8806
(Dalmo Gonzaga)

© 2021 RÁDIO SAMPAIO - Todos os direitos reservados | Desenvolvido por Interactive MOnkey