Claudia Leitte grava DVD intimista em São Paulo - Foto: Reprodução/Instagram

Após cantar para milhares de pessoas no carnaval de Salvador, Claudia Leitte vive uma nova fase. Na última terça-feira, 9, a cantora gravou o DVD intitulado Intemporal, em São Paulo. Diferente das músicas agitadas que costuma cantar, o projeto marca uma era mais intimista.

Em entrevista à CARAS Brasil, a artista relembrou o período em que ficou impedida de cantar e ter contato com os fãs, após o diagnóstico de Transtorno de Déficit de Atenção com Hiperatividade (TDAH).

“Eu sou TDAH, eu nasci TDAH, a pessoa nasce, é uma condição, mas eu nunca soube porque isso é uma coisa que tá mais em evidência agora, as pessoas estão falando mais sobre esse assunto e tem muita gente descobrindo assim como eu depois dos 40 anos. Na pandemia eu pifei emocionalmente porque foi a primeira vez na minha vida que eu fiquei sem o palco, quando eu digo [isso] é que fiquei sem gente, sem o carinho no camarim, sem o olho no olho, sem ver os meus fãs, sem ver o meu público ali na minha frente porque eu faço música para as pessoas, eu canto horas e meu hiperfoco ele é ativado quando eu tô num trio elétrico, no palco, exatamente porque eu nasci para servir aquelas pessoas que estão ali", desabafa.

Assim como outros artistas, Claudia Leitte se apresentou em lives para os fãs. O novo jeito de se comunicar foi uma maneira encontrada pelas pessoas para respeitar as restrições contra a covid-19. Apesar de cantar e conversar com os admiradores, ela diz que o contato físico e a presença no palco tornou a descoberta do TDAH ainda mais difícil.

"Foi muito esquisito, eu trabalhei muito na pandemia, foi um momento onde eu fazia muitos vídeos,  muitas lives, mas eu não tinha o que me movimenta. Eu faço música pelas pessoas então comecei a me questionar e aí veio um turbilhão de questionamentos que eu considero bem puxados e que poderiam ter me desequilibrado se eu não tivesse pessoas ao meu lado que foram sempre muito importantes para minha vida. Sempre valorizei gente, hoje valorizo ainda mais porque foi bem complicado", relembra.

Com o conhecimento da condição, Leitte diz que sua qualidade de vida teve um salto positivo, uma vez que se conhece mais ainda. "Melhorou tudo na minha vida porque eu acho que o princípio de tudo é você saber quem você é independente de ser neurotípico ou neuroatípico, fato. E aí eu descobri quem eu era muito cedo, eu descobri minhas vocações muito cedo, eu fui trabalhar muito cedo, só que eu fui muito desafiada e eu não sabia porque que eu me comportava de tal maneira, aí quando isso era considerado importante, ruim ou inadequado para o público eu falava: 'Mas por que eu sou assim?'. E aí eu descobri quando você descobre: 'Por que você é assim? Por que você não é igual às outras pessoas? Por que você não consegue gesticular menos ou ficar com menos pensamos, menos expectativas? É muito legal e libertador'", diz.

"Eu indico para todo mundo se cuidar independente de ser ou não neurotípico. Tem que ter acompanhamento, tem que ter gente boa do lado, tem que pedir ajuda, é muito importante. Isso tá me ajudando muito nesse processo de conhecer que preciso de ajuda porque eu tenho essa natureza de fazer tudo", conclui.

Contato

Rua José e Maria Passos, nº 25
Centro - Palmeira dos Índios - AL.
(82) 99641-3231
TELEFONE FIXO - ESTUDIO:
(82)-3421-4842
SETOR FINANCEIRO: (82) 3421-2289 / 99636-5351
(Flávia Angélica)
COMERCIAL: 
(82) 99344-9999
(Dalmo Gonzaga)
O melhor conteúdo. Todos os direitos reservados. Segurança e privacidade
linkedin facebook pinterest youtube rss twitter instagram facebook-blank rss-blank linkedin-blank pinterest youtube twitter instagram