Hispano-brasileiro Marcus Aurelio Arduini Monzo é acusado de matar adolescente com espada em Londres. — Foto: vegasMGM20/ Reprodução

Um hispano-brasileiro de 36 anos, detido após realizar um ataque com uma espada no qual morreu um adolescente de 14 anos, em Londres, foi acusado, na quarta-feira (1º) de assassinato, informou a polícia local.

Marcus Aurelio Arduini Monzo foi acusado da morte de Daniel Anjorin nos fatos registrados na terça-feira, indicou a Scotland Yard em comunicado. Outras quatro pessoas ficaram feridas, entre elas dois agentes, o que também lhe rendeu acusações de tentativa de assassinato e lesão corporal, segundo a polícia da capital britânica. Está previsto que o suspeito, que tem dupla nacionalidade espanhola e brasileira, compareça ao tribunal nesta quinta-feira (2).

O ataque aconteceu em um contexto de aumento das ações violentas com armas brancas no Reino Unido e dois dias antes das eleições locais na capital britânica, onde a oposição conservadora critica duramente a política de segurança do prefeito trabalhista Sadiq Khan.

Leandro foi preso na Bolívia - Foto PC AL

Leandro Barros, que foi preso na Bolívia, na última quinta-feira (4), chegou a Maceió na noite dessa sexta-feira (5). Ele foi levado ao Complexo de Delegacias Especializadas (CODE), onde foi ouvido pela delegada Ana Luiza Nogueira, e deve ser encaminhado ao Sistema Prisional neste sábado (6). A prisão de Leandro aconteceu na cidade de Santa Cruz de La Sierra, onde estava escondido após matar a tiros Mônica Cavalcanti, crime ocorrido em São José da Tapera, interior de Alagoas, em junho do ano passado.

Ao ser preso, ele confessou o crime e alegou que estava embriagado. Mônica foi morta após um desentendimento do casal, durante uma festa junina.

Em Alagoas, serão realizados os atos do inquérito que ainda faltam, como o interrogatório. Além disso, se houver responsabilidade criminal em algum ato de alguma pessoa - que o ajudou na fuga e a se manter em outro País -, haverá investigação, segundo Thales.

Arnóbio foi condenado por matar Joana Mendes com 32 facadas. | Foto: Divulgação MPE

 

O réu Arnóbio Cavalcante foi condenado a 37 anos, 2 meses e 7 dias de prisão pela morte da ex-mulher, a professora Joana Mendes, com 32 facadas, sendo 30 delas no rosto. O crime ocorreu em 2016, em Maceió, e o júri popular começou na segunda-feira (1º), no Fórum do Barro Duro, e terminou somente na madrugada desta terça-feira (2). O condenado também terá que pagar R$ 150 mil de indenização por danos morais.

O júri começou às 8h e só terminou por volta das 1h30 desta terça-feira (2). O Ministério Público Estadual (MPE) sustentou a tese de homicídio triplamente qualificado, praticado por meio cruel, que impossibilitou defesa da vítima, caracterizando o crime como feminicídio.

O primeiro a depor foi o tio do acusado, Hudson Cavalcante Ferreira. Ao júri, ele contou que o sobrinho tomava medicamentos para estabilizar o humor. Segundo ele, Arnóbio o ligou no dia do crime para informar que tinha “feito uma besteira”.

A amiga confidente de Joana Medes, Daniela Barretos, se opôs à fala do tio de Arnóbio sobre ele usar medicamentos. “Ele não é louco, ele é mau, é cruel”, disse ela ao júri.

Segundo Daniele, as redes sociais de Joana eram estritamente monitoradas por seu ex-marido, que, frequentemente, manipulava seu celular. Ela relatou episódios em que percebia sinais físicos de abuso, em que Joana apresentava manchas roxas nos braços e pernas, e como esses incidentes afetavam não apenas Joana, mas também seu filho, que se tornou mais retraído devido à violência testemunhada em casa.

O júri popular estava marcado para ocorrer em 18 de dezembro de 2023, mas, diante do cumprimento de um mandado de prisão do acusado, quatro dias antes, foi remarcado para 1º de fevereiro deste ano, sendo a novamente adiado na data.

Juliana Mendes, irmã da vítima, antes do julgamento começar, disse que a condenação de Arnóbio seria o presente de aniversário do pai dela.

"Hoje, 1º de abril, a gente só tem como meta o dia da verdade. Amanhã é aniversário do meu pai e o único presente que a gente pode esperar é que ele receba a condenação desse criminoso, desse feminicida, com a pena máxima", disse Juliana Mendes.

Arnóbio Cavalcante ficou em silêncio durante interrogatório.

O julgamento chegou a ser suspendo por alguns minutos, quando Arnóbio Cavalcante afirmou que seu advogado não atuaria mais na defesa. Mas, segundo o Ministério Público de Alagoas (MP/AL), ele voltou atrás após o juiz indicar que chamaria um defensor público.

O caso

O crime ocorreu em 2016. Joana Mendes deixou o filho mais novo na escola e foi ao encontro do ex-companheiro. Ele a convenceu de que queria conversar com ela pessoalmente para assinar o divórcio e regulamentar a pensão do filho do casal.

Joana Mendes havia tomado a iniciativa para se divorciarem, mas o homem não aceitava a separação.

Ela foi morta a facadas, a maioria delas no rosto, dentro de próprio carro, que foi abandonado no bairro do Poço. O corpo dela foi encontrado no dia seguinte, dentro do veículo.

 

Foto: Ascom PC-AL

 

Um homem, de 22 anos, que estava foragido acusado de homicídio no município de Campo Alegre, foi preso na noite da terça-feira (26), no sertão de Alagoas. O acusado foragiu de Luziápolis, município de Campo Alegre, logo após o assassinato do idoso José Demésio dos Santos, 61 anos, que foi morto dentro da própria residência, onde morava sozinho.

O inquérito policial, presidido pelo delegado Bruno Emílio, responsável pela regional de São Miguel dos Campos- e que responde pelo município de Campo Alegre- concluiu que o foragido cometeu homicídio qualificado por motivo fútil e recurso que impossibilitou a defesa da vítima.

Segundo apuração da  Polícia Civil, a motivação do crime se deu porque o acusado estava bebendo com a vítima e com outros homens viciados em álcool. O acusado teria insistido que a vítima lhe desse a quantia de cinco reais e,  diante da negativa, o jovem surpreendeu o idoso com golpes de instrumento contundente e pauladas, provavelmente, com parte de madeira de uma foice que estava dentro da residência, chegando a desfigurar totalmente o rosto da vítima que entrou em óbito no local do fato.

O crime foi registrado na madrugada do dia 20 de janeiro deste ano, na Rua José Vitorino de Morais, perto do cemitério novo de Luziápolis.

O delegado representou pela prisão preventiva do autor do crime, o qual foragiu logo após o homicídio. Localizado e  preso, ele será recambiado para o sistema penitenciário alagoano onde ficará à disposição da justiça aguardando julgamento em algum presídio de Maceió.

A equipe da delegacia do 75º DP de Campo Alegre é coordenada pelo delegado Bruno Emílio, tendo como chefe de operação Alfredo Presser e chefe de cartório Paulo César Melo. Por oportuno, o delegado ressalta que todos os homicídios ocorridos nos últimos quatro meses em Campo Alegre foram elucidados com alguns acusados presos e outros seguem foragidos com prisões preventivas em aberto, os quais podem ser presos a qualquer momento.

PC/AL

A Polícia Civil prendeu na noite da terça-feira(5) o jovem de 22 anos, autor do feminicídio da sogra Flávia dos Santos Carneiro, 43 anos, cujo corpo fora encontrado dentro de uma geladeira achada no bairro Guaxuma.  A equipe da DHPP, sob coordenação do delegado Thiago Prado, autuou o suspeito de 22 anos em flagrante delito pelo crime de feminicídio, ocultação de cadáver e corrupção de menor.

Outros envolvidos

Também na terça, a filha da vítima, uma adolescente de 13 anos, foi apreendia e o pai do jovem foi preso suspeitos de envolvimento no assassinato.

O crime aconteceu na sexta-feira (1º), no Jacintinho, após uma discussão entre os três por causa da mudança. O cadáver só foi descoberto nessa terça-feira amarrado dentro de uma geladeira, em uma região de mata, no bairro Guaxuma, Litoral Norte de Maceió.

Torcedor do Flamengo identificado como Jonathan Messias Santos da Silva foi preso por suspeita de envolvimento na morte da torcedora palmeirense Gabriela Anelli        -  Reprodução

O torcedor do Flamengo acusado de arremessar a garrafa de vidro que matou a palmeirense Gabriella Anelli, em julho de 2023, será julgado por um júri popular, segundo decisão da Justiça de São Paulo, na sexta-feira (23). A data ainda será marcada.

No documento, a juíza Marcela Raia de Sant’Anna manteve a prisão preventiva de Jonathan Messias Santos da Silva e negou o direito do réu de recorrer em liberdade. “Os motivos que ensejaram a decretação da prisão preventiva ainda persistem e são reforçados com a presente decisão de pronúncia. Com efeito, o crime atribuído ao réu é grave, hediondo, cometido antes de uma partida de futebol, no contexto de briga entre torcidas rivais, o que evidencia o concreto potencial ofensivo do acusado”, afirma a juíza em decisão.

Marcela ainda diz que o réu sabia que estava sendo procurado pela “prática do crime” e foi embora para seu estado (Rio de Janeiro) “sem dar qualquer satisfação às Autoridade”.

Reconstituição em 3D

O Instituto de Criminalística de São Paulo realizou uma análise pericial em 3D para recriar em formato virtual o acidente da morte da uma torcedora do Palmeiras atingida por uma garrafa nas proximidades do Allianz Parque, em julho de 2023.

Segundo peritos, o resultado da análise 3D reforçou a possibilidade de que o torcedor do Flamengo, Jonathan Messias Santos, teria arremessado o objeto que atingiu Gabriella Anelli.

Para recriar e realizar a perícia, foram realizados anotações, fotografias por câmeras convencionais, fotografias aéreas com o drone e foi feito um escaneamento do local com o uso de aparelho a laser. Também serviram de apoio, análise de vídeos feitos por celulares de testemunhas presentes no momento dos fatos.

A perícia concluiu que as imagens no vídeo e os frames “robustecem a possibilidade já mencionada em laudo anterior” de que Jonathan teria arremessado a garrafa que feriu um torcedor e causou a morte Gabriella, devido a corte na região do pescoço.

Ainda segundo o laudo, “Jonathan Messias Santos da Silva se encontrava em um ambiente propício para a visualização de diversas pessoas à sua frente, seja pelo lado da torcida do Flamengo, seja pelo lado da torcida do Palmeiras. Tais pessoas, tratavam-se de Guardas Civis Metropolitanos, uma fiscal e torcedores palmeirenses”.

Sobre o caso

A torcedora do Palmeiras, Gabriela Anelli, de 23 anos, que havia sido ferida em um tumulto nos arredores do Allianz Parque, no jogo entre Palmeiras e Flamengo, morreu em julho de 2023, após ter sido atingida no pescoço por uma garrafa.

A vitima ficou internada em estado grave na UTI da Santa Casa de São Paulo, mas não resistiu aos ferimento.

O pai da vítima afirmou, na época, aos jornalistas que a diversão de Gabriela era assistir aos jogos do Palmeiras.

 

Segundo a mãe, Begoleã Fernandes admitiu ter matado Alan Lopes, em Amsterdã — Foto: Reprodução

O brasileiro Begoleã Mendes Fernandes, preso ano passado ao tentar embarcar em um avião com o que alegava ser carne humana na mala, será internado em uma instituição psiquiátrica por toda a sua vida, de acordo com uma decisão da Justiça da Holanda. A decisão foi anunciada na quinta-feira (8). No entendimento das autoridades locais, Begoleã, considerado incapaz, agiu de forma premeditada ao assassinar a facadas o compatriota Alan Lopes, crime ocorrido em Amsterdã, no ano passado. Begoleã acreditava que Alan era canibal.

As investigações mostraram que, dias antes do crime, Begoleã Fernandes pesquisou na internet se existia pena de morte nos Países Baixos. Outro episódio revelado pelas investigações também aponta para um crime planejado. Uma testemunha não identificada relatou no tribunal ter ouvido o brasileiro expressar, antes do crime, seu desejo de matar Alan Lopes.

Begoleã tem duas semanas para recorrer da decisão. A Justiça concordou com a avaliação do Ministério Público de que o brasileiro é esquizofrênico e incapaz de responder pelo crime.

Ao tribunal holandês, Begoleã Fernandes relatou ter bebido uísque, fumado maconha e cheirado cocaína, na noite do assassinato.

No entendimento da Justiça holandesa, o brasileiro premeditou o crime. De acordo com o MP, os peritos concluíram que Begoleã desenvolveu delírio paranoico em relação à vítima. "Ele estava convencido de que seria comido pela vítima (...) Naquele dia ele foi até a vítima ‘para resolver’ e naquela noite ameaçou a vítima de morte", afirma o órgão.

Os juízes não aceitaram a tese de legítima defesa: o Alan não atacou primeiro, mas foi atacado enquanto dormia.

Polícia Federal — Foto: Divulgação

 

Um brasileiro, de Inhumas, Goiás, foi preso no Aeroporto Internacional de Lisboa acusado de matar a própria filha, um bebê de três meses, com agressões físicas em abril de 2023, na Bélgica. O homem tinha um mandado de prisão expedido pelo Tribunal de Primeira Instância de Bruxelas.

A prisão foi resultado do trabalho de cooperação policial internacional entre a Polícia Federal do Brasil e órgãos policiais da Bélgica e de Portugal. De acordo com a polícia belga, o brasileiro é apontado como o principal suspeito pela morte, já que era a única pessoa que se encontrava com a filha no apartamento onde ocorreu a morte.

A perícia médico-legal do país europeu concluiu que a morte do bebê teria sido causada por severos traumas decorrentes de fortes sacudidas e um impacto fatal no crânio.

Monitorado pela Polícia Federal brasileira, um alerta surgiu quando ele iniciou o deslocamento para Portugal. O brasileiro será extraditado para a Bélgica para que responda criminalmente pelos delitos de homicídio e lesão corporal grave, com penas previstas que podem chegar a 20 anos de prisão, de acordo com o Código Penal Belga.

 

Foto: Reprodução Correio Notícia

Um homem, identificado como Firmino Nunes Pauferro, 29 anos, foi assassinado com vários disparos de arma de fogo, no sábado (6), no Sítio Caldeirão, zona rural de Mata Grande, no Sertão de Alagoas.  Outros dois homens que estava com a vítima relataram que voltavam de uma vaquejada e uma caminhonete D-20, de propriedade da vítima.

De acordo com as testemunhas, no trajeto, ouviram um barulho parecido com o de um pneu estourando. Firmino teria parado o veículo e descido para conferir, quando passou a ser alvejado com vários disparos de arma de fogo. Os outros dois homens relataram que fugiram a pé pelo matagal ao lado da rodovia. O motivo e a autoria do crime são desconhecidos, mas serão investigados pela Delegacia Distrital de Polícia (28ª-DP).

De acordo com o site Correio Notícia, no dia 24 de agosto de 2022, Firmino matou o irmão Aloísio Nunes Pauferro, 29 anos, segundo ele por engano. Ele alegou o ter confundido com um ladrão. Firmino disse para a polícia que estava escuro e que não conseguiu reconhecer Aloísio no momento.

Firmino Nunes fugiu, mas apresentou-se à polícia três dias depois, com uma espingarda de fabricação caseira que alegou ter usado no crime. Ele foi autuado por posse ilegal de arma de fogo e homicídio qualificado e ficou recluso à disposição da Justiça, mas ficou pouco tempo preso.

Foto: Assessoria Polícia Civil

Uma ação integrada entre as Polícias Civil e Militar, localizou e prendeu na quarta-feira (03), um homem de 30 anos que é acusado de um assassinato ocorrido em Novembro do ano passado, no município de Santana do Ipanema, Sertão alagoano.

A equipe da delegada regional Daniella Andrade, deu cumprimento à mandado de prisão expedido pelo poder judiciário contra o executor de Silvestre Jeferson da Silva, de 21 anos. O crime aconteceu na tarde do dia 06 de novembro, no Sítio Salobinho, zona rural da cidade.

Segundo a delegada, as investigações revelaram que o autor queria assassinar o irmão da vítima, por causa de problemas com roubos de motocicletas, porém, o criminoso confundiu-se e matou Silvestre.

 

Contato

Rua José e Maria Passos, nº 25
Centro - Palmeira dos Índios - AL.
(82) 99641-3231
TELEFONE FIXO - ESTUDIO:
(82)-3421-4842
SETOR FINANCEIRO: (82) 3421-2289 / 99636-5351
(Flávia Angélica)
COMERCIAL: 
(82) 99344-9999
(Dalmo Gonzaga)
O melhor conteúdo. Todos os direitos reservados. Segurança e privacidade
linkedin facebook pinterest youtube rss twitter instagram facebook-blank rss-blank linkedin-blank pinterest youtube twitter instagram