Donald Trump | Foto: Win McNamee/Getty Images

O ex-presidente Donald Trump está vendendo oficialmente uma cópia patriótica da Bíblia cristã com o tema da famosa canção de Lee Greenwood, “God Bless The USA”.

“Feliz Semana Santa!” Trump anunciou nas redes sociais terça-feira (26), durante o período mais solene do calendário cristão, a última semana do tempo da Quaresma que marca o sofrimento e a morte de Jesus. “À medida que avançamos para a Sexta-feira Santa e a Páscoa, encorajo você a obter uma cópia da Bíblia God Bless The USA.”

O conceito de uma Bíblia coberta pela bandeira americana, bem como o endosso de um ex-presidente a um texto que os cristãos consideram sagrado, suscitou preocupação entre os círculos religiosos. Também levantou questões sobre as motivações de Trump, já que o ex-presidente se encontra no meio de várias batalhas legais dispendiosas.

‘Sacrilégio’, teologia e a sombra do nacionalismo cristão

A Bíblia de US$ 59,99, publicada pela primeira vez em 2021, apresenta uma bandeira americana e as palavras “Deus abençoe os EUA” impressas na capa. No interior, tem as palavras “Deus abençoe os EUA” e o texto da Declaração de Independência, o Juramento de Fidelidade e outros documentos históricos americanos. O material promocional da Bíblia mostra o ex-presidente ao lado do cantor country Lee Greenwood.

As respostas ao anúncio de Trump nas redes sociais chamaram o endosso de “sacrilégio”, “heresia” e “ofensiva limítrofe” e citam lições diretamente da Bíblia que sugerem que tirar vantagem da fé das pessoas por dinheiro deve ser condenado.

“É um cristianismo falido que vê um demagogo cooptar a nossa fé e até mesmo as nossas sagradas escrituras em prol da sua própria busca de poder e elogiá-lo por isso, em vez de insistir que nos recusemos a permitir que a nossa fé e as escrituras sagradas se tornem um porta-voz de um império”, disse o Rev. Benjamin Cremer no X, o antigo Twitter.

Jason Cornwall, um pastor da Carolina do Sul, disse no X que o endosso da Bíblia por Trump era uma violação de um dos Dez Mandamentos do Testamento Hebraico que proíbe usar o nome de Deus em vão.

No entanto, a crítica não termina com o fato de o endosso de Trump ser ou não cristão. Na verdade, é apenas o começo.

O historiador e autor Jemar Tisby diz que todo o projeto ecoa os valores do nacionalismo cristão – a ideia de que a América foi fundada como uma nação cristã e que o governo deveria trabalhar para sancionar o cristianismo em escala nacional. Os princípios do nacionalismo cristão estão historicamente ligados ao preconceito, ao nativismo e à supremacia branca.

“Há uma longa tradição sobre o que está incluído e o que não está incluído na Bíblia”, disse Tisby à CNN.

“O que causou indignação com esta Bíblia é que ela inclui a Declaração de Independência, a Constituição dos EUA e até mesmo a letra de uma canção de Lee Greenwood. Portanto, estamos acrescentando à Bíblia e acrescentando documentos políticos específicos à Bíblia que apagam completamente a separação entre Igreja e Estado.”

Tisby, que possui mestrado em Divindade pelo Reformed Theological Seminary em Jackson, Mississippi, escreveu sobre os perigos do nacionalismo cristão – tanto para o país quanto para a fé cristã.

“O que há de tão pernicioso nisso é que isso afeta a devoção das pessoas a Deus e seu amor ao país, o que por si só pode ser inócuo ou até bom”, disse ele.

“Mas neste esforço, está misturando os dois. E com Trump como porta-voz, estamos transmitindo uma mensagem muito clara sobre que tipo de cristianismo e que tipo de amor à nação (ele está) promovendo”.

Quando Guthrie Graves-Fitzsimmons, diretor de comunicações do Comitê Conjunto Baptista para a Liberdade Religiosa, viu o endosso bíblico de Trump, disse ter visto um político usando medos enraizados no racismo e no preconceito para promover uma ideologia cristã específica.

“Quando ouço ‘Faça a América Orar Novamente’, ouço promessas nacionalistas cristãs de que, de alguma forma, ‘restauraremos’ o Cristianismo neste país. E se o autoritarismo chegar aos Estados Unidos, é praticamente garantido que será feito em nome do Cristianismo, o que é um pensamento muito assustador.”

Graves-Fitzsimmons possui mestrado em Divindade pelo Union Theological Seminary na cidade de Nova York e também trabalha com o grupo Cristãos Contra o Nacionalismo Cristão. Ele diz que coisas como a Bíblia “Deus abençoe a América” ignoram os muitos, muitos cristãos que não concordam com a política de Trump ou com a mistura de patriotismo com fé.

“Há uma diversidade dentro do cristianismo americano que é ignorada sempre que a política e a religião se cruzam”, disse ele à CNN. “Existe esta falsa noção de que a maioria dos cristãos americanos estão pressionando por restrições anti-aborto e são anti-LGBTQ, e o oposto é realmente verdadeiro. Os cristãos, eu diria, são os que estão mais preocupados com os efeitos do nacionalismo cristão neste país.”

Contato

Rua José e Maria Passos, nº 25
Centro - Palmeira dos Índios - AL.
(82) 99641-3231
TELEFONE FIXO - ESTUDIO:
(82)-3421-4842
SETOR FINANCEIRO: (82) 3421-2289 / 99636-5351
(Flávia Angélica)
COMERCIAL: 
(82) 99344-9999
(Dalmo Gonzaga)
O melhor conteúdo. Todos os direitos reservados. Segurança e privacidade
linkedin facebook pinterest youtube rss twitter instagram facebook-blank rss-blank linkedin-blank pinterest youtube twitter instagram