Partidos alagoanos podem ter usado candidatas sem votos para burlar legislação

| Redação Rádio Sampaio


Ministério Público Eleitoral de Alagoas pediu a investigação de 449 registros de candidaturas

size_960_16_9_934066-_tng1842Em Alagoas, o procurador regional eleitoral determinou a abertura de inquéritos policiais para investigar o registro de 449 candidaturas de mulheres que não obtiveram nenhum voto nestas eleições municipais, ocorridas em outubro deste ano.

Existe a suspeita que essas mulheres tenham sido usadas para burlar legislação e cobrir a cota mínima de candidata do sexo feminino, de 30%, exigida pela Justiça Eleitoral.

A determinação atende a uma decisão do vice-procurador-geral Eleitoral, Nicolao Dino, que decidiu investigar candidatura de servidores públicos e mulheres que não receberam votos nas últimas eleições.

Em entrevista  o procurador regional eleitoral Marcial Coêlho detalhou que essas mulheres e os presidentes dos diretórios podem ser chamados para prestar esclarecimento.

Casos semelhantes também foram registrados em todo país, que chegou a registrar esse ano 14.447 candidaturas sem voto. Caso seja constatada fraude, Promotorias eleitorais devem propor ações de improbidade administrativa e também penal, por crime eleitoral, além de impugnar candidaturas.

Cada Minutos

0 Comentários

Deixe o seu comentário!

%d blogueiros gostam disto: