As escolas particulares de Maceió deram início à temporada de pré-matrículas para o ano letivo de 2018. Segundo a presidente do Sindicato dos Estabelecimentos de Ensino de Alagoas (Sinepe/AL), Bárbara Heliodoro, embora ainda não haja a média das planilhas das escolas particulares do estado, que auxiliam na decisão de quanto será cobrado a mais nas mensalidades, elas deverão sofrer um aumento de 10% a 15% no ano que vem.

A estimativa, de acordo com Bárbara, é baseada no atual quadro financeiro da maioria das instituições privadas de ensino do estado a fim de cobrir o aumento de gastos com corpo de profissionais e material didático que já se espera ter em 2018. “Sempre que se pensa em melhorias dentro de uma escola, elas envolvem principalmente o aumento de profissionais do quadro e isso reflete em ainda mais custos para as instituições”, salientou.

As matrículas deverão começar a ser feitas em meados de dezembro a janeiro, mas muitas escolas já se adiantam e antecipam a fase de inscrição dos alunos. De olho nos clientes, elas aproveitam para fazer ofertas especiais nesta época de ‘pré-matrículas’ e garantir que o quadro de alunos seja completado o quanto antes.

Para evitar cobranças abusivas e demais situações que possam lesar o consumidor, o Procon se prepara para a fase de fiscalizações. Segundo o assessor jurídico do órgão, César Caldas, as abordagens são feitas com base em denúncias que chegam até o órgão e, até agora, nenhuma irregularidade foi constatada.

Ele alerta que todas as alterações de valor devem passar pela aprovação dos pais ou responsáveis em reuniões onde sejam apresentadas as propostas de alteração dos valores juntamente com suas justificativas, para que nenhum cliente seja “pego de surpresa” em situações de abuso.

O assessor disse também que o Procon já teve um contato inicial com o Sinepe e que neste foram repassadas orientações sobre os cuidados a serem adotados nesta fase. Segundo ele, uma nova reunião está marcada para os próximos dias a fim de discutir este e outros temas relevantes, como a Lei de Inclusão.


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *