A repórter da Globo Júlia Guimarães foi assediada enquanto tentava fazer uma entrada ao vivo, na Rússia, antes da partida entre Japão e Senegal. É o segundo episódio envolvendo uma jornalista da emissora durante o Mundial, já que Amanda Kestelman já havia passado por situação semelhante. Um homem, não identificado, tentou beijar Júlia. Ela relatou o caso:

“É a segunda vez que isso acontece comigo aqui na Rússia. Eu nunca passei por isso no Brasil, mas que fique bem claro que é por sorte mesmo, porque acontece muito no Brasil, já vimos várias vezes com colegas da imprensa. Estou vivendo isso muito aqui na Rússia, desde olhares agressivos até cantadas em russo, que obviamente eu não entendo, mas sinto. E é a segunda vez que acontece algo físico, de um cara tentar me beijar. Na primeira vez, foi antes do jogo entre Egito e Uruguai, e eu acho que era russo. Agora com certeza era russo. É horrível. Eu me sinto indefesa, vulnerável. Desta vez eu dei uma resposta, mas é triste, as pessoas não entendem. Eu queria entender por que a pessoa acha que tem direito de fazer isso”, disse Júlia.

Após o fato, a jornalista conseguiu, enfim, fazer seu trabalho.


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *