Unidade de Pronto Atendimento (UPA de Palmeira dos Índios)

Um áudio que circula nas redes sociais dá conta da presença do vírus H3N2 em Alagoas recomendando que as pessoas evitem lugares com aglomerações. De fato, a Secretaria de Estado da Saúde (Sesau) confirmou  que o estado registrou um caso da doença no mês de fevereiro, mas informa que o vírus já circula em Alagoas desde 2014.

 

Uma fonte revelou que nesta quarta-feira, 11, uma pessoa com suspeita de infecção pelo H3N2 teria dado entrada em uma unidade hospitalar de Maceió, mas a Sesau não confirmou.

 

SEM MOTIVO PARA PÂNICO – O H3N2 é um subtipo do comum vírus da gripe Influenza A, só nos Estados Unidos, infectou mais de 47 mil pessoas no último surto. No Brasil, segundo o último informe epidemiológico, divulgado pela Secretaria de Vigilância em Saúde do Ministério da Saúde, 13 estados brasileiros já registraram um total de 57 casos de infecção pelo influenza H3N2.

 

Diante do alarde nas redes sociais, a reportagem do Portal

PUBLICIDADE

Rádio Sampaio ouviu um especialista para saber dos riscos e prevenções a se tomar diante do vírus. O infectologista Fernando Maia explicou que não há motivo para pânico, apesar do vírus ser bastante agressivo.

 

“Não há nenhum indicativo de epidemia ou surto. Nós sabendo que o vírus já se mostrou bastante agressivo nos Estados Unidos, mas a única medida efetiva contra essa gripe é a vacina”, destacou.

 

Ainda segundo o especialistas, já era esperado o aumento no número de casos de gripe nesta parte do ano, já que o Influenzavirus é mais atuante entre os meses de abril e junho, pois há o período de chuva.

 

“A diferença para esse ano é que o vírus que circulou nos Estados Unidos é bastante agressivo. Os americanos relataram um aumento no número de casos nos últimos meses e a gente espera que aqui aconteça a mesma coisa. É questão de tempo para que o vírus que circulou por lá chegue aqui”.

 

VACINA

Na rede pública, as vacinas serão distribuídas gratuitamente para idosos acima de 60 anos, crianças com mais de 6 meses e menos de 5 anos, gestantes, mulheres até 45 dias após o parto, profissionais de saúde, povos indígenas, portadores de doenças crônicas (como as cardiovasculares) e professores, estes últimos.

 

O médico informou que além da vacina, outras recomendações são viáveis contra o H3N2, como evitar lugares fechados e com aglomeração, e manter as mãos limpas e bem lavadas.

 

SINAIS E SINTOMAS DO H3N2

 

O histórico da doença revela que os sintomas desse tipo de gripe são mais severos que de outras variações do vírus.

Mas basicamente, seja causado pela gripe H3N2 A ou por outra estirpe, os sintomas típicos da gripe incluem:

  • Dores no corpo
  • Febre
  • Dor de cabeça
  • Dor de garganta
  • Tosse
  • Exaustão
  • Congestionamento menor
  • Vômitos e diarreia – incomum, ocorre mais frequentemente em crianças.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *