82 99641-3231

Luan Santana lança clipe de show gravado na orla da Ponta Verde em Maceió

O cantor Luan Santana lançou nesta quarta-feira (10) o clipe de uma música gravada durante um pocket show na orla da Ponta Verde, em Maceió (veja no vídeo acima).

O nome da música é Vingança e conta com a participação de MC Kekel. A direção do clipe é de Joana Mazuchelli, que já fez produções para grandes nomes da música nacional, como Skank.

A gravação aconteceu no dia 20 de junho deste ano. Um caminhão-baú estacionou na Avenida Silvio Carlos Viana no início daquela tarde e a estrutura para o show foi montada ali mesmo. Centenas de fãs compareceram.

Além dos artistas, o vídeo traz imagens da praia, um pouco da cidade e também dos fãs dos cantores.

Foto:


Documentos de veículos também terão versão eletrônica

A exemplo do que já ocorre com o título de eleitor e com a carteira nacional de habilitação (CNH), o registro e o licenciamento de veículos automotores terão também uma versão digital. O documento poderá ser baixado a partir de hoje (27), por meio do aplicativo Carteira Digital de Trânsito (CNH Digital), já disponível tanto para o sistema Android como para o IOS.

A primeira unidade federativa a fazer uso deste documento é o Distrito Federal. “Não há ainda um prazo definido para que os demais estados aderirem porque a adesão é voluntária e depende dos órgãos de trânsito”, disse o ministro das Cidades, Alexandre Baldy, durante a cerimônia de lançamento do aplicativo para a capital federal.

O aplicativo reunirá, na mesma plataforma, CNH, seguro obrigatório e Certificado de Registro e Licenciamento de Veículo (CRLV). Segundo o ministro, a ideia do aplicativo é facilitar a vida do cidadão e diminuir as filas dos departamentos de trânsito.

“Mais de 97 milhões de brasileiros possuem CRLV; mais de 60 milhões possuem carteira de habilitação; e mais de 23 milhões de pessoas possuem a habilitação com o QR Code [espécie de código de barras que pode ser verificada pelos agentes de trânsito durante as abordagens]. Esse aplicativo tornará a ida ao Detran desnecessária [para boa parte dessas pessoas]”, explicou Baldy.


Idosos superam obstáculos e se lançam definitivamente no mundo digital

A inclusão digital já se tornou parte da rotina de pessoas em todos os lugares mundo. Passa-se cada vez menos tempo “desconectado” e utiliza-se os recursos digitais para a realização de muitas ações e tarefas. Em uma época na qual a “internet das coisas” é realidade cada vez mais frequente, aqueles que não se adaptam se tornam “analfabetos digitais”, praticamente excluídos da sociedade contemporânea.

Para as gerações mais novas, que já nasceram em um mundo digital, na maioria das vezes isso não representa nenhuma dificuldade. Já para os mais velhos, é característico não demostrarem tanto conhecimento em relação a isso. A partir de certa faixa etária, muitas pessoas não ficam a par de todas as funcionalidades digitais. Entretanto, pesquisas apontam que a terceira idade não quer ficar de fora desse novo mundo.

Segundo dados do IBGE, os idosos estão usando cada vez mais a internet. Em quase dez anos, o número de pessoas acima de 60 anos que acessam a rede mais que dobrou: eram 5,7%, em 2008, superados pelos 12,6%, em 2013. Outra pesquisa de 2017, realizada pela AVG Technologies em diversos países, incluindo o Brasil, descobriu que o celular é o dispositivo mais utilizado entre os idosos, abrangendo 86% dos entrevistados. E 76% deles utilizam o Facebook e apenas 9% não usam nenhum serviço de comunicação.

Em Alagoas, o grupo ‘Geração Ativa’ do Gerenciamento de Pacientes Crônicos do Hospital Unimed Maceió vem ajudando os indivíduos com 60 anos ou mais que desejam se inserir na sociedade e nas plataformas digitais. Criado em junho deste ano, ele tem por objetivo estimular mudanças socioeducativas, para a manutenção de uma vida ativa e saudável, envolvendo as dimensões física, emocional e cognitiva.

De acordo com a psicóloga do grupo, Madalena Freitas, o ‘Geração Ativa’ surgiu após perceber a necessidade de socialização por parte dos idosos. “Ao ouvir alguns pacientes, ficou nítido que eles possuíam a vontade de se comunicar, de estar com o outro, de poder ser incluído, seja na sociedade ou na internet. Alguns se sentiam cansados e achavam que não tinham mais essa capacidade. Em cima dessa proposta, nós estudamos e criamos o grupo ‘Geração ativa’ que, atualmente, conta com a participação de quase cem idosos entre mulheres e homens de 60 a 70 anos”, afirmou.

Acompanhada por uma equipe multidisciplinar composta por psicólogos, nutricionistas e enfermeiros, os encontros do grupo são quinzenais no Centro Integrado de Assistência à Saúde (CIAS), no bairro do Farol, parte alta de Maceió. Entre as atividades oferecidas, estão oficinas recreativas, de tecnologia e mundo digital, troca de saberes, alongamento, entre outros.

Ainda segundo Madalena, a principal dificuldade dos idosos é com a tecnologia e, por isso, costuma tratar o assunto sempre que se encontram. “Criamos um grupo no Whatsapp com os participantes do projeto e muitos não sabiam gravar áudio, mandar mensagens e até mesmo fazer ligações. Então, decidimos relacionar à internet com os assuntos de saúde e bem-estar. Estamos tendo um bom resultado e muitos até dizem que já estão independentes”, frisou.

Marcelo Magalhães fala dos benefícios da tecnologia para os idosos

Imagem: Greyce Bernardino

BENEFÍCIOS

O aposentado José Amaro, de 66 anos, venceu algumas dificuldades para ficar conectado à internet. Hoje, com um smartphone na mão, ele mostrou que o que não falta são aplicativos para lhe manter entretido durante todo o dia. “Tenho Whatsapp, Facebook e Instagram. Gosto de ficar olhando tudo, conversar com meus familiares e postar fotos. Não sou tão viciado quanto os adolescentes, mas não fico desconectado por muito tempo. Desde que parei de trabalhar, a internet virou o meu refúgio”, assegurou.

José Amaro venceu algumas dificuldades para ficar conectado à internet

FOTO: GREYCE BERNARDINO

José Amaro também contou que poucos acreditaram na sua capacidade de adentrar na rede e, por persistência e força de vontade, se matriculou em um curso de informática que lhe permitiu aprender.

“Antigamente nem celular com internet tinha. Quando percebi que estava ficando para trás, fiz um curso básico de informática. Apesar de não saber ler muito, aprendi a desenrolar algumas coisas, além de conseguir mexer em um celular mais avançado. Sem dúvidas me sinto mais independente. Perguntava muito e, no final, não conseguia acessar nada”, brincou o aposentado.Ainda segundo o aposentando, a grande dificuldade que encontra na internet é a variedade de aplicativos e as constantes mudanças. “Não acho difícil mexer em um computador, celular, mas, sim, nos aplicativos. É muita variedade, muitas funções e, para quem não tem ritmo, acaba ficando perdido ou até mesmo desistindo. Mas, o segredo é seguir firme. Quando a pessoa aprende é muito bom”, destacou.

A psicóloga Claudiane Barreto explica que há vários benefícios quando os idosos entram neste mundo tecnológico. “O fato do idoso aprender algo novo faz muito bem a saúde mental. Eles despertam o interesse da transformação, estimulando o raciocínio e a autoestima, resultando assim, na melhoria da qualidade de vida deles. A sensação de bem-estar por estar atualizado é maravilhoso”, analisou.

Ela também ressalta que é de suma importância a presença da família nessa nova descoberta da terceira idade. “O estímulo por parte de parentes próximos é importantíssimo. Todo o processo de aprendizado requer que quem esteja ensinando tenha paciência. Se o idoso encontra um filho, um neto, que senta com ele pacientemente para ensinar, ele vai se sentir especial. Ele vai vivenciar um momento de troca”, contou.

Depois de ter perdido o pai com Alzheimer, Maria do socorro pesquisou sobre a doença e entendeu que era preciso se manter ativa para não sofrer dela. Em 1998, teve um câncer de tireoide e, em 2009, sofreu um acidente vascular cerebral (AVC). Por dois anos ficou na cama, usou cadeiras de roda e precisou de cuidadora. Hoje, Maria tem 70 anos e uma atividade intensa. Ela faz caminhadas, crochê e navega pela internet. O mouse, por exemplo, foi uma ferramenta que ajudou Maria a recuperar os movimentos do lado direito, afetado pelo AVC.

“Tive meu primeiro computador aos 30 anos, não sabia nem o que era um mouse. Fiz um curso de computação por uma semana e, fuçando, fui aprendendo a mexer na máquina”, contou.

De tanto apertar botões daqui e dali, Maria hoje mexe com jogos, Facebook e e-mails todos os dias. Além da máquina, ela acessa sua caixa de e-mails pelo smartphone. “Mexo diariamente, até quero comprar um notebook para poder usar quando viajar. Viajo muito e quero estar conectada”, comenta Maria, que diz que o lado bom de estar com as mãos ativas no teclado é trabalhar a mente.

“A gente trabalha o raciocínio, se atualiza com as notícias e se diverte. Tenho uma neta que está fazendo intercâmbio e tenho mantido contato com ela, acompanho as fotos que ela posta nas redes sociais e trocamos e-mails”, conta, satisfeita em dizer que sua mente está a todo vapor.


Como ouvir áudios do WhatsApp sem a outra pessoa saber

Os tiques azuis do WhatsApp são uma bênção e uma maldição. Por um lado, ela permite ver quando outras pessoas leram suas mensagens; do outro, as pessoas sabem quando você leu o que elas enviaram.

No entanto, existem algumas formas de acessar alguns conteúdos sem alertar seus contatos. Um exemplo é o áudio enviado pelo WhatsApp; com a técnica correta, você pode ouvir o que a outra pessoa mandou sem alertá-la.

O processo envolve criar uma janela de conversa com você mesmo, o que é útil para quando você quiser anotar algo, guardar um link, ou, para encaminhar áudios que você não quer que a outra pessoa saiba que foi escutado.

Obviamente, esse passo a passo só é útil para quem prefere manter a opção dos dois tiques azuis ligados para ser alertado quando alguém leu sua mensagem.

Veja como fazer isso:

1. Você vai precisar gravar seu próprio número nos seus contatos

2. Compartilhe seu contato com algum amigo

Você pode fazer isso pressionando o ícone do clipe na barra de digitação de novas mensagens e selecionando a opção “Contato”.

3. Toque em “Mensagem” e você será direcionado para uma janela de conversa nova

Essa é uma das formas de abrir uma janela de conversa com você mesmo; a outra opção é criar um grupo, e expulsar todas as pessoas da conversa (ou pedir cordialmente para que saiam). Assim você fica com o grupo só para você.

4. Encaminhe os áudios recebidos para esta conversa e os escute

Fonte: Olhar Digital

Como enviar mensagens no WhatsApp sem ser visto online

Uma das funções mais úteis no WhatsApp (para o bem e para o mal) é a possibilidade de conferir quando um contato esteve online pela última vez. Apesar disso, quando o assunto é privacidade, ela acaba sendo um tanto incômoda. Veja a seguir como mandar mensagens no WhatsApp com o Android sem ser visto online.

Para fazer a tarefa mencionada acima, será necessário usar o Google Assistente com uma opção habilitada. Não se esqueça também de deixar os contatos preferidos com nomes fáceis, apenas para facilitar o uso deles no assistente.

Checando e configurando o Google Assistente

  1. Segure a tecla “Home” do aparelho até abrir o “Google Assistente” e toque no ícone conforme mostra a imagem abaixo para chegar na tela “Explorar”;

    Reprodução

  2. Clique no ícone representado por “três pontos” e vá em “Configurações”;

    Reprodução

  3. Vá em “Telefone” e habilite a opção “Voice Match”. Caso ela já esteja habilitada, mantenha-a assim;

    Reprodução

  4. Se você ainda não configurou o Google Assistente ou não tem o costume de usá-lo, volte a tela do “Telefone” e utilize a opção “Modelo de voz” para redefinir como ativar o Google Assistente”.

    Reprodução

Mandando a mensagem sem ser visto

Agora que o Google Assistente está devidamente configurado é necessário enviar as mensagens utilizando ele no lugar de abrir o WhatsApp. Siga os passos:

  1. Segure a tecla “Home” até aparecer o Google Assistente. Quando ele surgir, diga: Enviar mensagem para “Nome do contato”;

    Reprodução

  2. Dite a mensagem a ser enviada;

    Reprodução

  3. Quando o assistente perguntar se deseja “alterar” ou “enviar” a mensagem, diga: Enviar.

Pronto, agora ninguém saberá que você esteve online para enviar uma mensagem. Até mesmo o contato que recebeu a mensagem, só verá a última vez em que o WhatsApp foi aberto por completo.

Lembre-se que após ter usado este método para enviar uma mensagem, é recomendado que você não abra o WhatsApp. Caso contrário, você estará aparecendo online.

Fonte: Olhar Digital

Estudantes de Cacimbinhas criam leitor de dinheiro para cegos

Um protótipo capaz de fazer a leitura de cédulas de dinheiro, cujo objetivo principal é o de facilitar, melhorar e dar maior autonomia e qualidade de vida para os deficientes visuais. Esta foi a invenção de três alunos de uma escola estadual localizada no município de Cacimbinhas, no Agreste de Alagoas. O leitor de dinheiro foi destaque na Mostra de Robótica da 70ª reunião da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC), maior evento científico da América Latina que foi encerrado neste sábado (29) e aconteceu na Universidade Federal de Alagoas (UFAL).

O protótipo funciona com um sensor de cor que mede o nível de RGB presente na cédula. A partir desses dados, é enviado um sinal para o computador, que relaciona a cor a um som. As cédulas possuem um som específico e, a partir dele, o deficiente visual consegue identificar o valor da nota.

Os estudantes responsáveis por criar o protótipo foram Anielly Carolainy Alves Amorim, Daniela Rayane Candida da Silva e José Ueslley Silva Santos, orientados pelo professor Jenivaldo Lisboa de Araújo, todos da Escola Estadual Muniz Falcão. O modelo foi criado durante as aulas de robótica desenvolvidas na escola da rede pública, que contemplam estudantes do ensino médio interessados pelas áreas de eletrônicas e de tecnologia.

Essa é a primeira participação dos alunos em uma reunião anual da SBPC. “É muito importante estar presente na Mostra de Robótica, pois além de acrescentar no currículo, nós temos a chance de divulgar nosso trabalho em um evento que tem pessoas de todas as partes do país” revela Daniela Rayane Candida. Depois da SBPC Alagoas, o objetivo é conseguir transformar essa proposta em uma luva, para facilitar o manuseio das notas.

As aulas de robótica oferecidas nas escolas públicas do estado têm despertado interesse por cursos referentes à área. “Quero fazer engenharia da computação, pois sou apaixonada por essa área da robótica. Vejo esse curso como uma oportunidade de levar adiante o protótipo de leitor de dinheiro, que é um projeto muito bom e facilitaria a vida dos usuários”, certifica a estudante Anielly Carolainy.


Rua José e Maria Passos, nº 25 - Centro - Palmeira dos Índios - AL.

Redes sociais


Facebook

Whatsapp: 82 99641-3231

Fale conosco


82 99641-3231

© 2018 Rádio Sampaio - Todos os direitos reservados | Desenvolvido por Interactive MOnkey