82 99641-3231

Palmeira sediará Conferência intermunicipal de Igualdade Racial

Assessoria

O prefeito Júlio Cezar recebeu nesta quinta-feira (3), na Prefeitura, a secretária estadual da Mulher e dos Direitos Humanos Rita de Cássia Tenório. O objetivo do encontro foi de firmar uma parceria com a prefeitura para a realização da Conferência Intermunicipal da Igualdade Racial, que acontecerá nas nove regiões de Alagoas, de 18 de agosto a 30 de setembro deste ano. Em Palmeira dos Índios a data está marcada para o dia 19 de setembro. O evento contará com a participação de 15 municípios alagoanos e será realizado no auditório do Ifal, Campus Palmeira.

As Conferências têm como público alvo, indígenas, negros, quilombolas e grupos afro-culturais. Nos dias 24 e 25 de novembro acontecerá a etapa estadual, e em maio de 2018 a nacional em Brasília. O evento é uma parceria entre a Secretária Estadual da Mulher e dos Direitos Humanos (Semudh), Superintendência de Direitos Humanos e Igualdade Racial (Supdhir), Conselho Estadual de Promoção da Igualdade Racial (Conepir) e conta com o apoio do Governo do Estado e das prefeituras envolvidas.

Cada município pode levar até dez representantes para participar das oficinas temáticas, que possuem uma metodologia ativa, onde os participantes são estimulados à crítica e reflexão sobre os temas abordados.    


Ronaldo Lessa concede entrevista e fala sobre votação do processo de investigação contra Temer

Ronaldo Lessa, Deputado Federal

O Deputado Federal e líder da bancada federal de Alagoas, Ronaldo Lessa (PDT), concedeu uma entrevista AO VIVO ao Programa Nosso Encontro da Rádio Sampaio.

Ronaldo Lessa falou sobre a votação do processo contra Temer na Câmara dos Deputados e a situação política no Brasil. Na oportunidade o Deputado Federal falou também sobre emendas que encaminhou para o município de Palmeira dos Índios. Escute:

https://soundcloud.com/cayo-caillou/ronaldo-01

 

https://soundcloud.com/cayo-caillou/ronaldo-01


Votação da bancada de AL tem empate pela rejeição da denúncia contra Temer

Dos nove parlamentares, 4 votaram pela rejeição da denúncia, 4 votaram pela aprovação

Os deputados que compõe a bancada federal alagoana ficaram divididos na votação, na noite desta quarta-feira (2), pela rejeição da denúncia contra o presidente Michel Temer por corrupção passiva. Ao todo, foram quatro votos contra e quatro a favor pelo arquivamento da matéria. O deputado Pedro Vilela (PSDB) não compareceu à sessão.

Os parlamentares Arthur Lira (PP), Cícero Almeida (PMDB), além dos ministros Marx Beltrão (PMDB) e Maurício Quintella (PR) votaram a favor do relatório da CCJ, que recomendava a rejeição da denúncia da PGR.

Por sua vez, os deputados Givaldo Carimbão (PHS), João Henrique Caldas – JHC (PSB), Paulão (PT) e Ronaldo Lessa (PDT) votaram contra o relatório (a favor, portanto, do prosseguimento da denúncia).

No entanto, a votação total no plenário da Câmara aprovou o relatório da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), de autoria do deputado Paulo Abi-Ackel (PSDB-MG), que recomendava a rejeição da denúncia da Procuradoria Geral da República por crime de corrupção passiva contra o presidente Michel Temer.

No total, votaram 492 dos 513 deputados – 263 a favor do relatório e 227 contra. Houve duas abstenções e 19 ausências – com base no regimento da Câmara, o presidente Rodrigo Maia (DEM-RJ) não votou.

Com a decisão, os deputados livraram Temer de responder no Supremo Tribunal Federal (STF) a processo que, se instalado, provocaria o afastamento do presidente por até 180 dias. Agora, Temer responderá no STF somente após a conclusão do mandato, em 31 de dezembro de 2018. O procurador-geral Rodrigo Janot, porém, deverá apresentar outra denúncia contra Temer, por organização criminosa e obstrução de justiça.

A acusação de Janot se baseia nas investigações abertas a partir das delações de executivos da empresa JBS no âmbito da Operação Lava Jato. Em março deste ano, o ex-assessor do presidente e ex-deputado Rodrigo Rocha Loures (PMDB-PR) foi filmado, saindo de um restaurante em São Paulo, com uma mala contendo R$ 500 mil. Segundo a PGR, o dinheiro era parte de propina e destinava-se a Temer. A defesa do presidente nega.

Confira como votou a bancada alagoana:

Arthur Lira (PP) – SIM

Cícero Almeida (PMDB) – SIM

Givaldo Carimbão (PHS) – NÃO

JHC (PSB) – NÃO

Marx Beltrão (PMDB) – SIM

Maurício Quintella (PR)- SIM

Paulão (PT) – NÃO

Pedro Vilela (PSDB) – AUSENTE

Ronaldo Lessa (PDT) – NÃO


Clima hostil marca retorno das atividades da Câmara de Vereadores de Palmeira dos Índios

(foto: Cayo César/ Rádio Sampaio)

Na manhã desta quarta-feira (02), a Câmara de Vereadores do município de Palmeira dos Índios, retornou as atividades após um recesso de um mês. Mas, o fato que marcou a sessão ordinária de número 19 dessa vez não foi as propostas de leis ou indicações, mas sim o clima que estava tenso na casa de leis. 

 

Um grupo que ganhou o apelido de G10 (composto pelos vereadores Madson Monteiro, Abraão do BMG, Agenor Leôncio, Cristiano Ramos, Fábio Targino, Joelma Toledo, Maxwell Feitosa, Pedrinho Gaia, Ronaldo Júnior e Val enfermeiro), usou a tribuna da casa para expor a indignação contra a atual mesa diretora. O grupo pede a antecipação da eleição da mesa diretora, prevista para daqui há mais de 1 ano. A mesa que tem como presidente o Vereador Junior Miranda (PSL) tem sido alvo de criticas por parte do G10.

Vereadores do G-10 ao lado do Governador Renan Filho e do Deputado Federal Givaldo Carimbão

 

 

 

 

O líder do G10, Vereador Agenor Leôncio (PSB) declarou que o grupo não se formou para fazer oposição contra o Prefeito Júlio Cezar (PSB), fato diferente do que vinha sendo divulgado. Na tribuna Agenor disse que não era oposição a Júlio, prefeito ao qual ele ajudou a eleger, e o grupo foi criado como forma de insatisfação com a pouca importância que os dez vereadores vinham sendo tratados.

 

Os discursos calorosos dos vereadores chamaram a atenção de populares que passavam próximo a Câmara que em poucos minutos teve sua galeria lotada, fato que aconteceu em poucas ocasiões. Muitos populares filmaram os discursos que muitos apenas tinham visto com aquela intensidade em debates no Congresso Nacional.

Créditos na foto

 

 


Deputado que tatuou nome de Temer é um dos campeões de liberação de emendas

A União pagou R$ 178,9 mil de emendas parlamentares do deputado Wladimir Costa (SD-PA) em julho. O valor faz dele o 6º deputado federal que mais conseguiu liberar verbas durante o mês passado.

Costa foi fotografado em um evento no domingo com o nome do presidente Michel Temer tatuado no ombro direito, acompanhado de uma bandeira do Brasil.

Os dados sobre o pagamento das emendas de Costa foram publicados no site do Senado, e estão atualizados até o dia 25 de julho. De acordo com o portal, os valores foram destinados à construção da sede da Procuradoria da República em Santarém (PA).

Emendas são sugestões feitas por deputados e senadores ao Orçamento da União. Geralmente, destinam recursos para obras e projetos nos locais onde os congressistas têm votos – ações na área de saúde e educação são as mais comuns. A liberação é coordenada pelo Ministério do Planejamento.

Nas últimas semanas, o governo federal intensificou a liberação dos recursos das emendas de deputados federais. Para a oposição, trata-se de uma estratégia para tentar garantir apoio durante a votação da denúncia contra Temer, que deve ocorrer nesta quarta na Câmara – o Palácio do Planalto nega relação entre uma coisa e outra.


Moradores vão às ruas protestar contra prefeitura de Palmeira dos Índios

Moradores de dois conjuntos do município de Palmeira dos Índios, no Agreste de Alagoas, foram às ruas protestar contra a prefeitura da cidade na manhã desta terça-feira (01).

O abandono aos conjuntos Brivaldo Medeiros e Antônio Ribeiro foi relatado com falta de estrutura nas vias, calçamentos, água e energia. Os moradores afirmam que os serviços prometidos não foram executados por completo e se resumiu apenas em implantação de algumas lâmpadas.

Para Rosivaldo Sabino, morador de um dos conjuntos, a situação em que os habitantes do município se encontram é absurda e a cobrança é sobre o mínimo que  pode ser feito pela população.

“A situação lá no momento é de calamidade pública. Vem chovendo e deu uma melhorada em ambas as partes porque estamos precisando mesmo de água. Estamos vivendo de água da chuva. Os forros chegaram até a quebrar de tanta chuva e as pessoas estão aproveitando pra fazer até bica, porque realmente estamos precisando dessa água para poder beber e ir sobrevivendo dessa maneira. Aí quer dizer que o prefeito chegou lá e prometeu que no início até chafariz teria sido colocado lá. Prometeu também um poço e duas caixas de dez mil litros. Mas na realidade, temos apenas um caminhão pipa levando pouca água pra 1120 famílias. O que nós estamos querendo aqui é simplesmente o básico, é o que a constituição nos garante: água, energia, direito a moradia, educação, saúde, saneamento básico e segurança”, desabafou o morador.

O excesso das chuvas tem aumentado o prejuízo sofrido por essas famílias, sendo o estopim para que eles organizassem o protesto nas ruas da cidade.

Após acompanhar de perto as manifestações, o prefeito Júlio Cezar se reuniu com moradores dos dois conjuntos para tentar entrar em acordo sobre a conclusão dessas obras. Em nota, ele afirmou que conseguiu acordar, com os moradores, inicialmente, a resolução dos problemas com abastecimento de água e energia. Ele aproveitou para se defender das acusações de descaso com o município e fazer apologia da falta de serviços prestados à falta de verba federal repassada.

“Desde que começamos a gestão temos lutado para ver as obras dos dois conjuntos concluídas. Inclusive, eu e o promotor de Justiça Rogério Paranhos conversamos semanalmente sobre isso. Temos uma série de reclamações dos moradores e elas são mais do que justas. Eles querem água encanada e energia nas casas, e a prefeitura vem atendendo algumas outras reivindicações. As pessoas sonharam a vida inteira em ter suas casas próprias e queremos que este sonho deixe de ser pesadelo e se torne realidade. Estamos dispostos a ajudar, mas também precisamos que eles acompanhem o nosso trabalho, que está sendo feito com diversos órgãos envolvidos para assegurar que as obras dos conjuntos sejam concluídas”, declarou Júlio Cezar.

Segundo moradores, uma liminar já havia sido divulgada para que houvesse pelo menos o abastecimento elétrico com 800 lâmpadas em parceria com a Eletrobrás, mas somente cerca de 100 foram acrescentadas. A questão da infraestrutura dos conjuntos também é relatada pela falta de calçamento, ocasionando o excesso de lama nos períodos chuvosos.

“Hoje nós fizemos uma estrada braçal para que possamos transitar, sem isso, estaríamos até presos na região. O conjunto Brivaldo Medeiros tem calçamento até certo ponto. Além disso, existe uma liminar que cerca de 800 lâmpadas eram pra terem sido implantadas nos dois conjuntos e até agora no máximo 100 lâmpadas foram trocadas. Nós ficamos sujeitos a quedas, lesões dentre outros problemas que essa falta de infraestrutura pode nos causar. Até filhote de jacaré nós encontramos na região sucateada”, ressaltou Maria Rodrigues, moradora do conjunto Brivaldo Medeiros.

A previsão é que esses serviços sejam revistos somente após a resolução dos itens renegociados entre o prefeito e os moradores, neste caso, o fornecimento correto de água e luz.


Rua José e Maria Passos, nº 25 - Centro - Palmeira dos Índios - AL.

Redes sociais


Facebook

Whatsapp: 82 99641-3231

Fale conosco


82 99641-3231

© 2019 RÁDIO SAMPAIO - Todos os direitos reservados | Desenvolvido por Interactive MOnkey