82 99641-3231

Peritos e médicos legistas paralisam por 24 horas em Maceió e Arapiraca

Peritos criminais, médicos legistas e peritos odontolegistas paralisaram suas atividades desde a noite desta sexta-feira (13) em virtude do não avanço das negociações junto ao governo do estado. Em nota, o Sindicato dos Peritos Oficiais de Alagoas (Sinpoal) e a Associação dos Médicos Legistas de Alagoas (AMLEAL),  informam que manterão apenas os 30% dos serviços por 24 horas.

“Assim, durante esse período, os atendimentos dos chamados para locais de crime ocorrerão um a um. Ou seja, havendo dois homicídios, sai uma equipe para o procedimento e a segunda, para a outra ocorrência, somente com o retorno da primeira.

Ficarão suspensos os  exames de corpo de delito e também será reduzido o serviço de necropsia no Instituto Médico Legal ( Maceió e Arapiraca)”, diz um trecho da nota.

As entidades informaram que os delegados já foram informados da paralisação. “Os profissionais sentem pela possibilidade de deixar sem atendimento famílias alagoanas, mas entendem ser necessário chamar a atenção para o descaso e desvalorização da categoria. Eles também já comunicaram tal decisão aos delegados”.

 

PUBLICIDADE

Militares não aceitam proposta de aumento de 6% do governo e negociações continuam

 

O Governo de Alagoas, por meio da Secretaria de Estado do Planejamento, Gestão e Patrimônio (Seplag), apresentou, na tarde desta sexta-feira (13), durante reunião com as associações militares de Alagoas, a proposta de reajuste salarial para a categoria da ordem de 6%, que não foi aceita pelos militares.

“Posso adiantar rapidamente que a categoria recusou a proposta, já foi descartada, e seguimos neste momento discutindo em reunião uma nova situação”, destacou o Cabo Wellington, presidente da Associação de Cabos e Soldados.

De acordo com a Seplag, a proposta de reajuste que foi apresentada funcionava da seguinte forma: 3% em 2019; 1,5% em 2020 e 1,5% em 2021. O secretário de Estado do Planejamento, Gestão e Patrimônio, Fabrício Marques, explicou que qualquer reajuste acima disso colocaria as finanças do Estado em risco, forçando-o a descumprir o acordo firmado com a União para o prolongamento do pagamento do serviço da dívida pública de Alagoas.

A reunião desta sexta-feira está sendo realizada na Unidade Gestão da Seplag e prossegue com a presença de representantes da cúpula da Secretaria de Estado da Segurança Pública (SSP), da Fazenda (Sefaz) e Seplag.

 

PUBLICIDADE

Governo propõe salário mínimo de R$ 1.002 para o próximo ano

Pela primeira vez, o valor do salário mínimo ultrapassará R$ 1 mil. O governo propôs salário mínimo de R$ 1.002 para o próximo ano, o que representa alta de 5% em relação ao atual (R$ 954). O valor consta do projeto da Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) de 2018, apresentado hoje (12) pelos ministros do Planejamento, Esteves Colnago, e da Fazenda, Eduardo Guardia.

Em 2019, a fórmula atual de reajuste será aplicada pela última vez. Pela regra, o mínimo deve ser corrigido pela inflação do ano anterior medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC) mais a variação do Produto Interno Bruto (PIB, soma dos bens e dos serviços produzidos no país) de dois anos anteriores.

Em 2017, o PIB cresceu 1%. Para a estimativa de inflação, o governo considerou a previsão de 4% para o índice de inflação que consta do Boletim Focus, pesquisa com mais de 100 instituições financeiras divulgada toda semana pelo Banco Central.

A LDO define os parâmetros e as metas fiscais para a elaboração do Orçamento do ano seguinte. Pela legislação, o governo deve enviar o projeto até 15 de abril de cada ano. Caso o Congresso não consiga aprovar a LDO até o fim do semestre, o projeto passa a trancar a pauta.

 

PUBLICIDADE

Senador Aécio Neves é levado ao hospital no DF

O senador Aécio Neves (PSDB-MG) foi levado ao Hospital Santa Lúcia, em Brasília, na manhã desta quinta-feira. Ele teve um mal-estar e está acompanhado por familiares. O boletim médico ainda não foi divulgado.

A assessoria de imprensa do senador informou que Aécio foi ao hospital para fazer exames, mas “está bem”.

O presidente da Primeira Turma do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Alexandre de Moraes, marcou para o dia 17 deste mês o julgamento sobre a recebimento da denúncia contra o tucano em um dos inquéritos resultantes da delação do empresário Joesley Batista, da JBS.

O relator do caso é o ministro Marco Aurélio Mello, que integra a Primeira Turma junto com Moraes, Luiz Fux, Rosa Weber e Luís Roberto Barroso.

Segundo a denúncia, apresentada há mais de 10 meses, Aécio solicitou a Joesley Batista, em conversa gravada pela Polícia Federal (PF), R$ 2 milhões em propina, em troca de sua atuação política. O senador foi acusado pelo então procurador-geral da República, Rodrigo Janot, dos crimes de corrupção passiva e tentativa de obstruir a Justiça.

Após contestações da defesa de Aécio, a denúncia foi reiterada no fim do mês passado pela atual procuradora-geral da República, Raquel Dodge, para quem a “o senador vilipendiou de forma decisiva o escopo de um mandato eletivo e não poupou esforços para, valendo-se do cargo público, atingir seus objetivos espúrios”.

Aécio Neves já negou diversas vezes qualquer irregularidade no pedido feito a Joesley Batista, alegando que a quantia dizia respeito a um empréstimo pessoal, sem nenhuma contrapartida em favor do empresário.

Também são alvos da mesma denúncia a irmã do senador, Andrea Neves, o primo dele, Frederico Pacheco, e Mendherson Souza Lima, ex-assessor parlamentar do senador Zezé Perrella (PMDB-MG) flagrado com dinheiro vivo. Todos foram acusados de corrupção passiva.

A defesa disse que o senador foi “vítima de uma situação forjada, arquitetada por criminosos confessos que, sob a orientação do então procurador Marcelo Miller, buscavam firmar um acordo de delação premiada fantástico”.

Toron fez referência ao ex-procurador da República Marcelo Miller, suspeito de ter orientado indevidamente Joesley Batista na negociação do acordo de delação premiada do empresário.

“As provas revelam que o empréstimo pessoal feito ao senador não envolvia dinheiro público ou, como reconheceu a própria PGR, qualquer contrapartida. Assim, inexiste crime ou ilegalidade na conduta do senador Aécio”, acrescenta o texto escrito pelo advogado.

 

PUBLICIDADE

Gilmar Mendes manda tirar Celso Luiz da cadeia

O ex-prefeito de Canapi, Celso Luiz, preso, acusado de desviar  em 2015, verbas de complementação do FUNDEB/Fundef, no valor de R$ 17.634.971,47, valor que deveria ser aplicado exclusivamente na educação, teve o pedido de Habeas Corpus aceito pelo ministro do STF, Gilmar Mendes.

Na decisão, proferida na tarde de ontem, dia 11, Mendes destacou que “(…) Ante o exposto, defiro o pedido liminar para suspender a ordem de prisão preventiva decretada em desfavor do paciente Celso Luiz Tenório Brandão, decretada pelo Juízo da 11ª Vara Federal Criminal da Seção Judiciária de Alagoas”.

Ainda na decisão do magistrado consta que Celso Luiz está proibido de manter contato com os demais investigados, por qualquer meio, fica também proibido de deixar o país, devendo entregar seu passaporte em até 48horas.

O acusado terá que cumprir recolhimento domiciliar no período noturno e nos fins de semana e feriados.

 

PUBLICIDADE

“O gestor que continuar na ilegalidade vai parar na cadeia” diz Gaspar sobre desvios em AL

Com um desvio de R$ 12 milhões da prefeitura de Mata Grande somente com locação de veículos, o ex-prefeito Jacob Brandão e o irmão Júlio Brandão foragidos e com a prisão de seis pessoas suspeitas de participarem da organização criminosa, o procurador-geral de Justiça, do Ministério Público Estadual (MPE), Alfredo Gaspar de Mendonça, afirmou que “o gestor que continuar na ilegalidade, o destino dele vai ser na cadeia”.

Durante uma coletiva à imprensa na manhã desta quinta-feira (12), Alfredo Gaspar disse que alguns municípios foram investigados pelo MP, sendo eles: Poço das Trincheiras, Maravilha, Água Branca, Pão de Açúcar, Girau do Ponciano, Ouro Branco e Mata Grande. Entretanto, a maior descoberta foi na cidade de Mata Grande que com apenas uma ação desviou R$ 12 milhões.

“Nos deparamos com uma organização criminosa que meteu a mão com força no dinheiro da prefeitura. Uma organização que usou a prefeitura como o quintal de casa de desviou milhões em apenas uma única ação. Jacob e o irmão estão foragidos, mas vamos achá-los”, ressaltou Gaspar.

Gaspar ainda ressaltou que o Ministério Público tem agido para fiscalizar os recursos públicos e citou como exemplo, além do caso de Mata Grande, o ex-prefeito de Rio Largo, Toninho Lins.

“É um desastre administrativo e é a prova do que uma gestão corrupta produz. O vice-prefeito de Mata Grande também se encontra afastado juntamente com três vereadores por atos de corrupção que foram filmados. Isso é um exemplo que vem do passado e permanece, mas o MP não vai fechar os olhos para a corrupção, estamos investigando outros gestores e o lugar desses corruptos é na cadeia”, enfatizou o procurador.

Prisões

A Operação Ánomos foi deflagrada nessa quarta-feira (11) e cumpriu mandados de prisão em Maceió e também no interior. As prisões preventivas  foram expedidas em desfavor de Jacob Brandão, Daniel Cunha Ramos (cunhado de Jacob), Max Davi Moura Rodrigues, Clériston Marinho Buarque, Carlos Henrique Lisboa da Silva, Antônio José Bento de Melo, Euzébio Vieira de França Neto e Petrúcio José da Silva Filho.

Já as temporárias foram para Eustáquio Chaves da Silva, Sobrinho de Jacob (ex- diretor executivo da Câmara de Vereadores de Mata Grande), Emernegildo Ramalho Mota (controlador da empresa Transloc),  Genilda Gomes Lima – Ômega Locação e Victor Pontes de Mendonça Melo- controlador da empresa Albatroz – preso pela terceira vez em fraude de licitação.

Max Davi é parente do Jacob e consta como um dos beneficiados pelas quantias desviadas.

Locação de veículos

Conforme explicou o promotor de Justiça Antônio Luiz dos Santos, foram investigadas obras superfaturadas, locação de veículos, estruturas para eventos (palco, sons e iluminação), aquisição de medicamentos com empresas que sequer receberam remédios.

O promotor explicou que outras prefeituras também foram investigadas. “Denunciamos um empresário que utilizava estabelecimento para faturar notas fiscais frias, em Santana do Ipanema foi o ex-prefeito que desviou o dinheiro na contratação de bandas e em Mata Grande foram duas denúncias pela aquisição de medicamentos”, explicou.

“A EP Construções e Locações de Veículos, era comandada por Euzébio Vieira e com um sócio Petrúcio da Silva. As investigações mostraram foram desviados R$ 7,8 milhões por meio dessa empresa”, explicou.

Sobre a locação de veículos, o promotor Carlos Davi, explicou que a empresa fazia um acordo com o gestor e a empresa sublocava carros, recebia da prefeitura, pagava “qualquer importância” e o dinheiro era sacado na boca do caixa. “A sede da empresa, na maioria das vezes, era uma casa velha. A maior parte do pagamento ia para o bolso do gestor. Era tanto dinheiro que o gerente do banco chegou a bloquear duas contas que estavam sendo utilizadas”, disse.

O promotor Carlos explicou que uma parcela pequena dos carros contratados eram sublocados de munícipes ou da própria família dos envolvidos. “A grande maioria não chegou a ser entregue à prefeitura”.

O Grupo de Ação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), disse que o dinheiro desviado do município é o equivalente ao valor de 130 carros populares.

Com todo o dinheiro desviado, dava para a prefeitura ter comprado 130 carros populares, 40 vans das mais modernas ou 20 caminhões de lixo.

 

PUBLICIDADE

Rua José e Maria Passos, nº 25 - Centro - Palmeira dos Índios - AL.

Redes sociais


Facebook

Whatsapp: 82 99641-3231

Fale conosco


82 99641-3231

© 2019 RÁDIO SAMPAIO - Todos os direitos reservados | Desenvolvido por Interactive MOnkey