82 99641-3231

Exames de alta definição e agilidade na entrega é o carro chefe da UNIDOR

 

A Clínica da Dor é a especialidade responsável pela avaliação e tratamento da dor em todos os seus aspectos, ou seja, físico, emocional, social e espiritual.
É uma especialidade fundamental na abordagem multidisciplinar do paciente com câncer, e nos pacientes crônicos, portadores de doenças como: hérnia de disco, fibromialgia, dores de cabeça e enxaqueca, osteoporose, doenças reumáticas e neurológicas, diabetes e suas complicações (Neuropatia Diabética), Neuropatia dos nervos cranianos e periféricos (Trigêmeo, túnel do carpo) dores pós cirúrgicas, pós doenças vasculares (Acidente Vascular Cerebral) , etc..

Dor aguda x dor crônica

A dor aguda, na sua maior parte, é resultado de uma doença, inflamação ou lesão de tecidos. Este tipo de dor geralmente surge de repente, por exemplo, após trauma ou cirurgia, e pode ser acompanhada de ansiedade ou angústia emocional. A causa da dor aguda geralmente pode ser diagnosticada e tratada. A dor é auto-limitante, ou seja, é limitada a um determinado período de tempo e de gravidade. Em alguns casos raros, pode se tornar crônica.

A dor crônica é amplamente acreditada como representando uma doença em si. Ele pode ser piorada por fatores ambientais e psicológicos. A dor crônica persiste durante por um maior período de tempo do que a dor aguda, e é resistente à maioria dos tratamentos médicos. Ela pode muitas vezes causar graves problemas para os pacientes.
Uma pessoa pode ter duas ou mais condições co-existentes de dor crônica. Tais condições podem incluir a síndrome da fadiga crônica, síndrome dolorosa miofascial, fibromialgia, doença inflamatória do intestino, disfunção da articulação temporomandibular.

Clínica de DOR

A clinica UNIDOR além da especialidade em dor, também conta com exames de imagens como, Raio x, densitometria óssea, Ultra-Sonografia entre outros. para a realização dos procedimentos a clínica conta com equipamentos de imagens de última geração e é conhecida pela agilidade da entrega do exame, que tem o prazo de três dias para entrega.

RAIO X de alta resolução realizado na Clínica UNIDOR

Os exames que são realizados na clínica são enviados por uma rede altamente moderna e segura de computadores para a USP na cidade de São Paulo, onde são laudados por renomados especialistas em radiologia do país.

A qualidade digital realizados na clínica é o principal detalhe ao qual e alcançado através de programas de alta resolução que deixam a mostra dos médicos imagens e detalhes minuciosos, primordial no diagnostico.

A clínica que atende além da cidade de Maceió e Arapiraca, está presente também no município de Palmeira dos Índios.

Veja no slide a baixo algumas imagens de exames realizados lá:

Este slideshow necessita de JavaScript.


Alagoas registrou seis mortes por febre chikungunya no ano passado

É uma das maiores proporções de óbitos por estado, segundo Ministério da Saúde

Em 2016, foram registrados 17.030 casos prováveis de febre chikungunya e confirmados seis óbitos em Alagoas. Até o dia 24 de dezembro de 2016, o estado registrou 41.048 casos prováveis das três doenças, todas transmitidas pelo mosquito Aedes aegypti.
Foram  17.140 de dengue, 17.030 de chikungunya e 6.878 de zika. Os dados são do novo boletim epidemiológico publicado no site do Ministério da Saúde.
A soma de mortes por dengue, zika e chikungunya no Brasil em 2016, até o dia 24 de dezembro, chegou a 794: 629 por dengue, 159 por chikungunya e 6 por zika. No mesmo período de 2015, as três doenças haviam provocado 1.001 mortes: 984 por dengue, 14 por chikungunya e 3 por zika.
Brasil
Mesmo antes da compilação dos casos da última semana do ano, o número de casos de dengue registrado em 2016 já é o segundo mais alto desde 1990, quando os dados começaram a ser registrados no Brasil. E se aproxima do ano recordista, que foi 2015, quando houve 1.649.008 casos.
A incidência em 2016 foi de 731,9 casos por 100 mil habitantes. A região com a maior incidência foi o Centro-Oeste, com 1.313,8 casos por 100 mil, seguida do Sudeste, com 999,5 casos por 100 mil.
Chikungunya
Os 265.554 casos de chikungunya registrados em 2016 representam um aumento de 589,7% em relação aos 38.499 casos registrados em 2015. O vírus foi identificado pela primeira vez no Brasil em 2014. O número de mortes pela doença aumentou em 1.035% de 2015 para 2016: de 14 para 159.
A incidência de chikungunya no país em 2016 foi de 129,9 casos por 100 mil habitantes. A região com maior incidência foi o Nordeste, com 407,7 casos por 100 mil habitantes.
Zika
A zika foi identificada no Brasil pela primeira vez em abril de 2015 e os casos só passaram a ser notificados a partir do final do ano, por isso não é possível comparar os dados de 2016 com os de anos anteriores.
Em 2016, os 214.193 casos registrados no país representaram uma incidência de 104,8 casos por 100 mil habitantes. A região Centro-Oeste teve a maior incidência do país: 219,2 casos por 100 mil habitantes.

Meninos já podem se vacinar contra o HPV em Maceió

Imunização acontece nos postos da capital para meninos com 12 e 13 anos

Meninos na faixa etária de 12 e 13 anos já podem ser vacinados contra o vírus do HPV pelo Sistema Único de Saúde (SUS) nos postos de vacinação de Maceió. Até o ano passado, essa imunização era restrita às meninas, mas verificou-se que os meninos também são fonte de transmissão do HPV.  A definição da faixa-etária para vacinação visa proteger as crianças antes do início da vida sexual, portanto, antes do contato com o vírus.

Segundo a coordenadora do Programa Nacional de Imunização (PNI) da SMS, Eunice Raquel Amorim, o esquema vacinal para meninos é de duas doses, com seis meses de intervalo entre elas. “Para os que vivem com HIV, a faixa etária é mais ampla, de 9 a 26 anos, e o esquema vacinal é de três doses, com intervalo de 2 e seis meses após a primeira aplicação. No caso de portadores de HIV, é necessário apresentar prescrição médica”, esclareceu Eunice Raquel.

A decisão de ampliar a vacinação para o sexo masculino está de acordo com as recomendações das Sociedades Brasileiras de Pediatria, Imunologia, Obstetrícia e Ginecologia, além de DST/Aids. A estratégia tem como objetivo proteger contra os cânceres de pênis, garganta e ânus, doenças que estão diretamente relacionadas ao HPV.

A vacina disponibilizada para os meninos é quadrivalente, ou seja, confere proteção contra quatro subtipos de vírus HPV (tipos 6, 11, 16 e 18). Oferecida para meninas desde 2014 pelo SUS, a eficácia da vacina é de 98% para quem segue corretamente o esquema vacinal.  Até 2020, essa faixa etária será ampliada, incluindo os meninos de 9 a 13 anos.

Vacina Meningocócica C

A partir de janeiro de 2017 também será introduzida uma nova vacina no calendário do município, a Meningocócica C, destinada a adolescentes de ambos os sexos, na faixa etária de 12 a 13 anos de idade, devendo ser administrada como reforço ou dose única.

A vacina defende o organismo de uma das bactérias causadoras de meningites.  Até 2020, serão atendidas as faixas etárias de 9 a 13 anos gradativamente. Em 2016, a vacina estava indicada apenas para crianças até 4 anos de idade; e passará a abranger os adolescentes a partir de janeiro de 2017.


Tabagismo custa US$ 1 trilhão e em breve vai matar 8 milhões por ano, diz estudo

Custos em saúde e perda de produtividade relacionados ao cigarro superam amplamente a receita obtida com impostos sobre o fumo.

(Foto: Reuters/Lisi Niesner/File Photo)

tabagismo custa à economia global mais de US$ 1 trilhão por ano, em gastos com saúde e perda de produtividade, e até 2030 matará um terço a mais de pessoas do que agora, de acordo com um estudo da Organização Mundial da Saúde (OMS) e do Instituto Nacional do Câncer dos Estados Unidos publicado nesta terça-feira (10).

O custo estimado supera amplamente as receitas globais com os impostos sobre o fumo, que a OMS colocou em cerca de US$ 269 bilhões em 2013-2014.

“O número de mortes relacionadas ao tabaco deverá aumentar de cerca de 6 milhões de mortes para cerca de 8 milhões anualmente até 2030, sendo que mais de 80% delas vão ocorrer em países de baixa e média renda”, diz o estudo.

Cerca de 80% dos fumantes vivem nesses países e, embora a prevalência de tabagismo esteja caindo entre a população global, o número total de fumantes em todo o mundo está aumentando, afirma o estudo.

Especialistas em saúde dizem que o uso do fumo é a maior causa evitável de morte globalmente.

“É responsável por… provavelmente mais de US$ 1 trilhão em custos de saúde e perda de produtividade a cada ano”, diz o estudo, revisado por mais de 70 especialistas.


Recupere o corpo após as festas de fim de ano com esse cardápio detox

Confira o menu elaborado por nossa redação com ingredientes que ajudam o corpo a se recuperar do consumo exagerado de álcool e de pratos pesados nas festas

Quando exageramos no Natal e no Ano Novo, o organismo às vezes pede para pisarmos no freio com uma alimentação regrada – ou, no mínimo, mais leve. Para ajudar nos dias seguintes após as farras, convidamos a consultora e nutricionista Maria Vitória Falcão para elaborar um menu desintoxicante e repleto de nutrientes, além de dar dicas alimentares, que ajudam o corpo a se recuperar da ressaca e a entrar renovado em 2017.

“Após as festas, sempre vem a sensação de peso, estufamento e também o peso na consciência. Para ajudar a diminuir a retenção hídrica, aposte em muita água e chás diuréticos, como cavalinha, oliveira, hibisco”, explica Maria Vitória, que acrescenta: “os alimentos verde-escuro são muito bem-vindos, pois aumentam a excreção de toxinas do corpo, melhorando o processo de detox. Procure acrescentar nos seus dias pepino, couve, salsão e espinafre. Compostos antiinflamatórios também são bem vindos, visando reduzir o processo de inflamação que se cria com o consumo de alguns alimentos. Utilize a cúrcuma, gengibre, frutas vermelhas, canela para esse fim”.

 

1. Caipirinha de Suco Verde
“A caipirinha detox não é um alimento funcional e que deva ser consumido todos os dias. A ideia é dar um up em uma preparação que as pessoas gostam e que é consumida com frequência no nosso país. Utiliza-se alguns alimentos com poder depurativo e detoxificante, tal como a couve, abacaxi e hortelã. São alimentos ricos em clorofila e que aumentam a excreção de toxinas acumuladas no fígado e rins”.

Ingredientes:
4 maçãs sem casca e caroço
1 abacaxi cortado em cubos médios
1 cenoura
1 punhado de hortelã
2 couves-manteiga
5 tâmaras sem caroço hidratadas
500 ml de água de coco
Saquê

Modo de Preparo:
Processe todos os ingredientes menos o abacaxi e o sake até ficar um liquido homogêneo, coe e reserve;
Em um copo amasse um pouco do abacaxi, adicione umas pedrinhas de gelo, coloque o sake e por ultimo adicione o suco, misture bem e sirva.

2. Suco Regenerativo
“Nessa receita, colocamos alimentos que aumentam a diurese e o poder de limpeza do corpo, tal como o pepino, que por ser rico em água, auxilia a transportar compostos químicos para a urina e excreté-los, deixando o ambiente corporal mais propício e favorável para receber nutrientes”.

Ingredientes:
Rende 1 porção.

3 fatias de abacaxi sem casca
1/2 pepino caipira sem a casca
½ copo de agua de coco ou chá verde
suco de ½ limão
1 a 2 rodelas finas de gengibre
6 unidades de folhas de hortelã
1 punhado de espinafre
1 pitada de cúrcuma

Modo de preparo:
Bata aos poucos no liquidificador, coe e sirva.
3. Arroz de couve-flor
“Essa é uma preparação lowcarb, excelente para manter a refeição mais leve e menos calórica sem ter que abrir mão desse acompanhamento que vai bem em tantos pratos. A couve-flor é um alimento rico em fibras e muita água, o que ajuda na sensação de saciedade, com pouquissimas calorias e muito sabor”.

Ingredientes:
½ couve-flor
½ xícara de cebola ralada
1 dente de alho amassado
Sal marinho e pimenta do reino a gosto
1 colher (sopa) de salsinha picada
óleo de coco ou azeite de oliva

Modo de preparo:
Lave a couve-flor em água fria e seque bem;

Usando um ralador de queijo, rale a couve-flor ou coloque num processador e bata usando a função “pulsar” até obter uma textura similar à do arroz, cuidado para não deixa-lo úmido;

Em uma frigideira, refogue o alho até dourar bem, em seguida a cebola por aproximadamente 10 minutos;

Acrescente a couve-flor e deixe refogar por cerca de 5 minutos.

Tempere com sal e pimenta do reino.

Polvilhe com salsinha e sirva em seguida no lugar do tradicional arroz branco.
4. Noodles Raw de Abobrinha com Molho de Dois Tomates
“Os noodles de abobrinha, além de ser super-simples e uma preparação leve, é uma boa opção para aqueles dias em que se tem pressa e precisa de algo rápido, pois é uma receita raw (crua).
Os alimentos, quando em sua forma crua, preservam mais nutrientes (salvo algumas exceções) e possuem uma funcionalidade e estrutura diferente, que pode trazer diversos benefícios para o corpo, tal como o aproveitamento integral do alimento e manutenção do metabolismo”.

Utensílios:
Espiralizador ou cortador/descascador/fatiados de legumes

Ingredientes:
2 abobrinhas grandes
1 xícara de molho de dois tomates
Crumesão a gosto

.Noodles de abobrinha
Com o espiralizador, corte as pontas da abobrinha, centralize e deixa ela firme; vá girando a manivela e fazendo os fios de abobrinha.

Ou:

Passe o descascador ou fatiador na vertical em um dos lados da abobrinha; tente fazer o mais fino possivel, no máximo 1,25cm, em cada passagem, criando assim fios parecidos aos de espaguete;

Caso esteja utilizando um fatiador, você poderá pré-definir a espessura a ser cortada (se seu utensílio tiver esta função).

Se estiver usando um mandolim, ajuste a lâmina para o corte mais fino possível. Passe a lâmina longitudinalmente para criar os fios.

Quando chegar nas sementes, vire e faça o mesmo com o outro lado da abobrinha. Não utilize a parte com as sementes.

Coloque em pratos individuais, adicione um pouco do molho de dois tomates e finalize com folhas de manjericão e o crumesão.
.Parmesão vegano (crumesão)
“Uma bela opção para substituir o queijo tradicional é ter uma opção sem lactose. O crumesão é feito com base nas oleaginosas, ricas em gorduras superbenéficas para o corpo, que auxiliam na manutenção da glicemia e modulam a oxidação de gordura. As gorduras tendem a dar mais saciedade, pois mexem diretamente com o hormônio incretina, que irá transmitir ao cérebro a sensação de que está satisfeito”.

Ingredientes:
½ xícara de chá de castanha-do-pará
½ xicara de castanha de caju
½ dente de alho ralado
2 colheres de chá de gergelim torrado
1 colher de sopa de levedura nutricional (opcional)
1 colher de chá de sal marinho, Uma pitada de pimenta-do-reino moída

Modo de preparo:
Coloque todos os ingredientes no processador e bata rapidamente, com o botão “pulsar”, até obter uma mistura granulada, porém crocante.

Conserva-se por duas semanas na geladeira em recipiente hermético.
.Molho de tomate
“Essa é uma opção que deve fazer parte da sua rotina diária. Abandone os molhos prontos e enlatados e prepare o seu. Os enlatados possuem acidulantes e conservantes que o nosso corpo não consegue digerir e identificar, causando uma confusão metabólica e intoxicando o corpo, quando ingerido em altas quantidades. O tomate por si é um superalimento, rico em licopeno, um dos maiores antioxidantes que podemos encontrar na natureza. Além da prevenção de cêncer de próstata, ele ajuda na redução de colesterol, remoção de radicais livres e é riquíssimo em vitamina C. Sim,o tomate é considerado uma fruta cítrica e ajuda muito na imunidade, então é uma boa pedida para o fim do ano, já que a farra é grande e precisamos nos manter sempre inteiros para aguentar, certo?”.

Ingredientes:
1 xícara de tomate seco escorrido de seu óleo
2 xícaras ou 4 tomates, sem pele e sem semente, picado
½ xícara de castanhas em pedaços ou pinole ou pistache
½ xícara de azeite de oliva extra-virgem
5 tâmaras sem caroço picada
½ de colher de chá de sal marinho
½ de colher de chá de páprica picante
½ de colher de chá pimenta caiena
1 dente de alho ralado
½ xicara de folhas de manjericão picadas

Modo de preparo:
Bata no processador de alimentos todos os ingredientes exceto os tomates frescos, quando já estiver mais encorpado adicione o tomate picado e processe mais um pouco, Reserve;
4. Brownie
“A vontade de doce sempre aparece, mas vamos tentar fugir do açúcar refinado e utilizar outros alimentos a nosso favor. Esse brownie leva como adoçante natural as tâmaras e o mel, que irão dar o docinho na medida, sem trazer os malefícios do açúcar por si. O açúcar é viciante e o consumo regular está relacionado com diversas patologias clínicas. O maior problema nas festas, é que preparações doces em sua maioria contém uma boa quantidade de açúcar, manteiga e outros compostos intoxicantes, então vamos fugir deles e optar por coisas mais naturais. As tâmaras, nozes e óleo de coco são calóricos e por isso, devem ter seu consumo moderado”.

Ingredientes:
3 xícaras de chá de amêndoas ou nozes pecan
½ xícara de chá de tâmaras inteiras sem caroço
¾ de xícara de chá de pasta de tâmara
¾ de xícara de chá de cacau em pó
1 fava de baunilha
Uma pitada de sal marinho

Modo de preparo:
Deixe as tâmaras (da pasta) de molho na água quente por 30 minutos em seguida bata até virar uma pasta, colocando a água do molho aos poucos para não ficar muito líquida;

Corte o restante das tâmaras ao meio e bata grosseiramente no processador e reserve;

Bata 2 xícaras das amêndoas no processador até virar farinha e o restante grosseiramente, deixando pedaços;

Incorpore todos os ingredientes e misture com as mãos até obter uma pasta espessa e uniforme;

Espalhe essa mistura em uma pequena forma quadrada para bolo de 20 cm. Nivele bem a superfície com uma espátula.

.Cobertura do brownie
¼ de xícara de chá de óleo de coco
1 colher de sopa de água
¼ de xícara de chá de mel
Uma pitada de sal marinho

Modo de preparo:
Derreta o óleo de coco no banho-maria;

Bata todos demais ingredientes até obter um creme uniforme. Acrescente o óleo de coco derretido e misture até que esteja bem incorporado;

Espalhe uniformemente sobre um brownie;

Deixe na geladeira por 1h até que fique firme.


Revisão de estudos feita pela OMS confirma relação entre zika e Guillain-Barré

Em parceria com universidade da Suíça, organização analisou 72 publicações e diz que vírus é um ‘gatilho’ para a síndrome

Um grupo de trabalho da Organização Mundial da Saúde (OMS), em parceria com a Universidade de Berna, na Suíça, fez uma análise de 72 estudos publicados sobre o vírus da zika e confirmou sua relação com a síndrome de Guillain-Barré. O artigo foi publicado nesta terça-feira (3) na revista “PLoS Medicine”.

A síndrome de Guillain-Barré é uma condição rara em que o sistema imunitário do paciente ataca os nervos periféricos. Ela é mais frequente no sexo masculino, mas pessoas de todas as idades podem ser afetadas. Os pacientes sentem fraqueza e sensação de dormência, que geralmente começam nas pernas, braços e rosto.

A OMS já havia se posicionado e dito que alguns casos de zika levavam ao Guillain-Barré. Em março de 2016, a organização disse que havia um “forte consenso científico” de que o vírus é uma das causas da síndrome. Até então, a relação não havia sido totalmente comprovada.

Os grupos da OMS e da universidade suíça usaram essas 72 pesquisas (publicadas até 30 de maio de 2016) que incluíam dados sobre o zika e suas consequências à saúde. Foram estabelecidos dez critérios de causalidade para relacionar o vírus à síndrome. Depois, revisaram toda a literatura já publicada e abordaram os resultados – um painel de especialistas foi convocado para avaliar a revisão.

A equipe concluiu que pelo menos oito dos dez critérios foram atendidos entre as 72 pesquisas. Além disso, artigos publicados após a revisão inicial de literatura – de 30 de maio a 29 de julho de 2016 – reforçaram os achados da OMS e da universidade suíça.

“São necessárias revisões rápidas e sistemáticas com atualizações frequentes e disseminação aberta para a avaliação de evidências sobre a infecção pelo vírus da zika, como também para próximas ameaças à saúde que irão surgir”, disseram os autores. “Esta revisão sistemática encontrou provas suficientes para concluir que o vírus da zika é uma causa de anomalias congênitas e é um gatilho para Guillain-Barré”, completaram.

Além da síndrome de Guillain-Barré, a OMS já havia confirmado a relação entre o zika e a microcefalia. O vírus é responsável pela síndrome congênita que pode afetar o sistema nervoso central, causar epilepsia, deficiências auditivas e visuais, prejuízo no desenvolvimento psicomotor, bem como efeitos negativos sobre ossos e articulações.

 

*Com GazetaWeb


Rua José e Maria Passos, nº 25 - Centro - Palmeira dos Índios - AL.

Redes sociais


Facebook

Whatsapp: 82 99641-3231

Fale conosco


82 99641-3231

© 2018 Rádio Sampaio - Todos os direitos reservados | Desenvolvido por Interactive MOnkey